Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

José Alencar aponta política monetária como ‘desastre’

Por Da Redação 31 mar 2009, 08h19

A atual política monetária brasileira é um desastre, avaliou nesta segunda-feira o vice-presidente da República, José Alencar. Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, ele também criticou a ideia de autonomia do Banco Central, mas tratou de minimizar a queda de popularidade do presidente Lula, divulgada na segunda em pesquisa CNT/Sensus.

Nesta terça-feira, o vice-presidente voltou ao hospital Sirio-Libanês, onde esteve internado por 15 dias em fevereiro, para trocar um tubo plástico de reconstituição do ureter, canal que liga o rim à bexiga. Segundo a assessoria de imprensa do Planalto, Alencar deveria ter se submetido ao procedimento na segunda, mas adiou a ida ao hospital por causa da série de compromissos oficiais, que incluíam a participação no programa.

Durante a entrevista, Alencar classificou a atual política monetária como um “erro do governo”. “A situação relativamente boa da economia brasileira é apesar da política econômica praticada, não é por causa dela”, disse o vice-presidente. Ele também qualificou a autonomia do Banco Central de “balela”. “A responsabilidade não se transfere, o presidente da Republica delega autoridade a seus ministros e ao Banco Central”, afirmou.

Sobre a queda de 10,1% na avaliação positiva do governo Lula, Alencar defendeu o presidente. “As oscilações nas pesquisas a essa altura retratam o momento. Pode ser algo ligado à crise, mas o presidente tem desenvolvido um bom trabalho diante dela, principalmente da pior mazela que ela traz que é o desemprego”. De janeiro para março, a avaliação positiva do governo passou de 72,5% para 62,4%.

Ainda assim, “nunca houve nenhum outro presidente com esse grau de popularidade”, ressaltou Alencar. “Isso é raríssimo. Quem dera que todos pudessem usufruir dessa popularidade do presidente Lula”. Questionado pelo colunista de VEJA.com Augusto Nunes sobre a comparação que fez entre a imagem de Lula e Pelé em entrevista à revista, ele justificou: “Hoje, você chega como homem público em outros países, em toda a parte, as pessoas sempre perguntam do Lula. O Lula, em matéria de política internacional, é o rei”, disse.

O vice-presidente comentou ainda a frase de Lula comparando a crise com uma “marolinha” . “O presidente usa muito de metáforas para se comunicar. Algumas são interpretadas de maneira pejorativa. Com referência ao que acontece lá fora, a crise é muito, muito menor”, considerou Alencar, que prefere ver o atual cenário econômico no país como um “ajuste”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)