Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Jornalistas sofrem 130 agressões relacionadas à política em 2018

Abraji condena a violência aos profissionais de imprensa e cita o caso dos autores de reportagem de VEJA sobre acusações de ex-mulher de Bolsonaro

Por Da Redação Atualizado em 7 out 2018, 14h09 - Publicado em 7 out 2018, 13h59

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) registrou pelo menos 130 agressões a profissionais da comunicação em situações relacionadas à política e às eleições em 2018. Do total, houve 59 ocorrências de ataques físicos e outras 71 agressões em meios digitais.

“Um país que não compreende a diferença entre crítica ao trabalho jornalístico e violência contra profissionais da imprensa coloca a democracia e a si próprio em grave risco”, diz a Abraji, em uma das notas que relatam casos de agressão.

Entre as situações mencionadas pelo site da Abraji está a dos jornalistas que assinam reportagem da revista VEJA sobre acusações de ex-mulher de Jair Bolsonaro (PSL) contra o candidato a presidente. “Os perfis dos repórteres Nonato Viegas e Thiago Bronzatto foram inundados por xingamentos, comentários homofóbicos e ameaça de agressão. Hugo Marques foi alvo de exposição indevida e difamação”, conta a associação.

A Abraji condena com veemência a ofensiva contra os jornalistas. “O assédio direcionado a uma profissional de comunicação por causa de seu trabalho atingiu desta vez um novo — e pior — patamar, ao expor de maneira criminosa dados pessoais de terceiros, alastrando as agressões”, afirma.

A associação também relata o caso de Ana Nery, repórter da Rádio Bandeirantes, que foi agredida verbalmente e foi golpeada com uma cabeçada por um manifestante favorável a Bolsonaro no domingo passado (31), na Avenida Paulista, em São Paulo.

Para a Abraji, a agressão à repórter foi o ponto máximo na escalada de ataques de apoiadores do candidato registrada ao longo da semana passada. A associação lamentou também que policiais que presenciaram a cena apenas afastaram o agressor e não prestaram socorro à jornalista.

“Como se o assédio massivo direcionado a jornalistas em redes sociais e as ameaças de violência física não fossem graves o suficiente. É lamentável, ainda, a postura passiva dos policiais militares diante da hostilidade do manifestante”, diz a associação.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)