Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Jamais ofendi o povo chinês’, diz Eduardo Bolsonaro sobre coronavírus

Deputado federal culpou governo chinês pela disseminação do vírus e foi duramente rebatido pela embaixada internacional no Brasil

Por Da Redação
Atualizado em 19 mar 2020, 17h00 - Publicado em 19 mar 2020, 16h31

Diante da repercussão negativa de uma postagem no Twitter em que culpava o governo chinês pela pandemia do novo coronavírus, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) divulgou, nesta quinta-feira, 19, uma nota na qual afirma que jamais ofendeu o povo chinês e que possui imunidade parlamentar para “estimular o debate” sobre determinados assuntos.

“Jamais ofendi o povo chinês, tal interpretação é totalmente descabida. Esclareço que compartilhei postagem que critica a atuação do governo chinês na prevenção da pandemia, principalmente no compartilhamento de informações que teriam sido úteis na prevenção em escala mundial. Estimular o debate é função do parlamentar brasileiro, tendo por isso a prerrogativa da imunidade parlamentar (art. 53, CF) como garantia constitucional para que deputados possam exercer tal direito. Assim, mesmo vivendo numa democracia com ampla liberdade de imprensa e expressão, não identifiquei qualquer desconstrução dos meus argumentos por parte do embaixador chinês no Brasil”, diz um trecho da nota.

Na quarta-feira 18, Eduardo Bolsonaro acusou o governo chinês de preferir esconder a doença a se expor ao desgaste, e sugeriu que uma ação contrária poderia ter salvo muitas vidas. “Mais uma vez uma ditadura preferiu esconder algo grave a expor tendo desgaste, mas que salvaria inúmeras vidas. A culpa é da China e liberdade seria a solução”, diz a publicação.

O tuíte de Eduardo ganhou repercussão após o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, repudiar a declaração do deputado federal e cobrar um pedido de desculpas ao povo chinês. O perfil oficial da embaixada chinesa, por sua vez, disse que, ao voltar dos Estados Unidos, o filho do presidente Jair Bolsonaro contraiu um “vírus mental” que estaria “infectando a amizade” entre os povos.

Na nota divulgada nesta quinta-feira, Eduardo Bolsonaro afirmou que não deseja “problemas com a China e certamente, o país asiático também não busca conflitos com o Brasil”. “Não creio que um tweet isolado de um parlamentar levantando questionamentos sobre a conduta de um governo estrangeiro tenha condão para tanto, visto que a discussão de pautas globais é prática normal na comunidade internacional, servindo para aperfeiçoamento de políticas de governo ao redor de todo o mundo”.

“Manifesto ainda no sentido de lhes dar boas vindas ao nosso país e explicitar minha estima pela contribuição da comunidade chinesa no desenvolvimento do Brasil, terra famosa pelo seu povo acolhedor”, conclui.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.