Clique e assine a partir de 8,90/mês

Itália autoriza a extradição do mensaleiro Pizzolato

Última instância da Justiça italiana rejeitou argumentos da defesa, que contestava as condições dos presídios brasileiros; ex-diretor do Banco do Brasil cumprirá pena de 12 anos e sete meses de prisão

Por Da Redação - 22 set 2015, 12h13

A Justiça italiana autorizou na manhã desta terça-feira a extradição do ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado a doze anos e sete meses de prisão no julgamento do mensalão. Ele cumprirá pena pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção e peculato.

Pizzolato deixou o país em novembro de 2013 numa fuga hollywoodiana: com o passaporte do irmão morto em 1978, ele deixou o Brasil com destino à Argentina, de onde embarcou para a Espanha. Mas foi encontrado em fevereiro de 2014 pela Interpol, na famosa praia de Maranello, na Itália. Desde então, está preso por falsidade ideológica.

O brasileiro ficou até outubro na penitenciária de Modena, quando o Tribunal de Bolonha negou sua extradição ao Brasil, mas em fevereiro deste ano a Corte de Cassação da Itália concedeu sua extradição. A decisão foi ratificada pelo Ministério da Justiça e pelo Tribunal do Lazio, primeira instância da justiça administrativa. Hoje, o Conselho de Estado da Itália autorizou o envio do brasileiro ao país natal.

Os juízes rejeitaram o recurso apresentado pela defesa e afirmaram que foram apresentadas condições suficientes das prisões brasileiras em preservar os direitos humanos. Segundo a corte, as garantias foram apresentadas “tanto pelo governo quanto pelas máximas autoridades judiciárias brasileiras”. A defesa de Pizzolato insistia que os centros de detenção no Brasil violavam os direitos humanos.

(Com Agência Ansa)

Rota de fuga de Pizzolato
Rota de fuga de Pizzolato VEJA
Continua após a publicidade
Publicidade