Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Itália adia decisão sobre pedido de extradição de Pizzolato

Corte de Bolonha quer que Brasil apresente documentos que garantam segurança do ex-diretor de marketing do Banco do Brasil em prisão brasileira

A Corte de Apelações de Bolonha, na Itália, resolveu nesta quinta-feira adiar para o dia 28 de outubro a decisão sobre o pedido de extradição do ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado no julgamento do mensalão. A audiência foi remarcada depois de três horas e meia de sessão. Foram ouvidos os advogados de defesa do mensaleiro e representantes do Ministério Público Federal do Brasil.

Alessandro Sivelli, que representa Pizzolato, afirmou que o julgamento foi adiado porque o governo brasileiro não apresentou todos os documentos que garantam condições mínimas de segurança para mantê-lo em presídios brasileiros. O advogado que representa o Ministério Público Federal, Michelle Gentiloni, não se pronunciou.

O ex-diretor do Banco do Brasil foi capturado em fevereiro na cidade de Maranello, ao norte da Itália, uma ação conjunta entre as autoridades brasileiras e italianas. Ele era considerado foragido da Justiça desde novembro.

Leia mais:

Justiça italiana quer que Brasil garanta direitos de Pizzolato na cadeia

Relembre como foi a prisão de Pizzolato

O governo brasileiro oficializou o pedido de extradição de Pizzolato no início de março. O pedido foi entregue pela embaixada brasileira em Roma ao Ministério das Relações Exteriores da Itália.

Pizzolato foi condenado a mais de doze anos de prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro.

(Com Estadão Conteúdo)