Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Inpe deve antecipar dados sobre desmatamento ao governo, diz novo diretor

Darcton Damião afirmou a VEJA ser 'muito natural' que presidente tenha acesso a números, como defendeu Bolsonaro. Ele ficará no cargo até setembro de 2020

Indicado nesta segunda-feira, 5, como diretor interino do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o coronel da Aeronáutica Darcton Policarpo Damião, 57 anos, disse a VEJA que entende como “muito natural” que o presidente da República e o ministério da Ciência e Tecnologia sejam informados sobre dados do Inpe a respeito do desmatamento antes da divulgação. Convidado para o cargo no final de semana, Damião ficará à frente do Inpe até setembro de 2020, quando terminaria o mandato de seu antecessor, o físico Ricardo Galvão.

O militar foi escolhido pelo ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, para substituir Galvão, que deixará o cargo após atrito com o presidente Jair Bolsonaro em torno da divulgação de números que mostraram aumento no desmatamento da Amazônia. Nesta segunda, depois de dizer que “maus brasileiros” haviam divulgado “números mentirosos” sobre o desmatamento, Bolsonaro defendeu que o governo tomasse ciência do conteúdo da pesquisa antes da publicação.

O novo chefe do Inpe não comenta a declaração sobre os “maus brasileiros”, ataque indireto a Galvão, mas dá razão ao presidente sobre o acesso antecipado dele aos dados. “Isso é muito natural, porque quando você está fazendo uma pesquisa cujo resultado pode interferir em relações internacionais, econômicas, é no mínimo legítimo que a cadeia de comando, o ministro, e, por consequência, o presidente, sejam avisados do que vai constar do discurso e das conversações sobre o tema. Não tem nada de estranho nisso, é assim em qualquer lugar do mundo, como deveria”, disse Darcton Damião.

“Se você é responsável pela agência de águas de uma cidade e algo muito grave vai acontecer com as águas, você não vai avisar isso para o jornal nem para o município ao lado, você vai avisar ao seu prefeito, porque ele é responsável pela população e aquilo ali extrapola a agência de água. É mais ou menos nessa linha”, completou.

Afirmando assumir o cargo para “alinhar os setores do Inpe” e “cuidar do diálogo interno e externo”, Damião afirma, contudo, que “não é uma coisa de ficar pedindo permissão para respirar, não”. Ele pondera que o projeto PRODES, do Inpe, que monitora por satélites o desmatamento por corte raso na Amazônia Legal e produz, desde 1988, as taxas anuais de desmatamento na região, gera um relatório com repercussão internacional e, por isso, o presidente deve estar por dentro dos dados.

“Nada mais justo que o presidente da nação saiba o que está acontecendo, porque vai ser interpelado por aquilo como se já tivesse tendo que saber. E ele precisa saber, ele só vai saber se ele for informado, ele não dorme no Inpe, não tem como saber. É um papel que cabe ao ministro, inclusive, portanto o ministro precisa ser informado de tudo que é relevante e acontece no Inpe. O Inpe tem um chefe, e o chefe tem outro chefe, que é o ministro”, disse a VEJA.

Questionado sobre possíveis cobranças de Bolsonaro e Pontes para que cheque dados da pesquisa que mostrou elevação de 88% no desmatamento na Amazônia em junho em relação ao mesmo mês no ano passado, motivo do embate público entre Galvão e o presidente, o novo chefe do Inpe afirmou que “todo método científico tem rechecagem, a ciência não para”. “As teses estão sendo sempre testadas, isso não muda. Não é uma questão política, é uma questão científica”, diz ele.

“O Inpe é um órgão científico muito respeitado com um legado enorme e vai continuar fazendo o que faz: ciência e ciência aplicada”, afirma o escolhido para comandar o instituto. Para ele, o desmatamento “é uma questão dentre várias outras” sob a responsabilidade do Inpe.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Plínio Góes Filho

    Em todo esse caso jamais se viu, nem a imprensa ousou inferir, que o governo pretendia ou pretende ‘alterar’ dados sobre desmatamento na Amazônia. A aplicação de um método para sua divulgação, entretanto, tem de obedecer a hierarquia administrativa, pois da forma que estava só propiciava à festa dos antibolsonaristas. Governo pôs rédeas na carruagem.

    Curtir