Clique e assine a partir de 9,90/mês

Indicado por Ratinho Jr, Feder conversa com Bolsonaro para assumir o MEC

Ex-CEO da Multilaser e secretário de Educação do Paraná no governo do PSD, ele tem reunião nesta terça-feira com o presidente e pode substituir Weintraub

Por André Siqueira - 22 Jun 2020, 20h32

O presidente Jair Bolsonaro se reunirá, nesta terça-feira, 23, com o secretário estadual de Educação do Paraná, Renato Feder, cotado para assumir o Ministério da Educação. A informação foi confirmada a VEJA por um ministro do governo federal. O cargo de ministro da Educação está vago desde a saída de Abraham Weintraub, na quinta-feira 18 – sua exoneração, no entanto, só foi publicada no sábado 20.

A demissão de Weintraub, que integrava a chamada ala ideológica do governo, ocorreu após uma série de atritos causados pelo ministro. O pior deles foi com o Supremo Tribunal Federal , onde era investigado no chamado inquérito das fake news depois que, em vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, ele aparece dizendo que, se dependesse dele, mandaria os “vagabundos” para a cadeia, “começando no STF“.

Renato Feder foi nomeado para a Secretaria de Educação do Paraná pelo governador Ratinho Júnior (PSD), correligionário do ministro das Comunicações, Fábio Faria (PSD-RN). Procurado por VEJA, Faria negou que tenha indicado o nome de Feder a Bolsonaro. O PSD é um partido do chamado Centrão, que tem sido cortejado pelo Palácio do Planalto na tentativa de formar uma base sólida de apoio no Congresso.

Mestre em economia pela Universidade de São Paulo (USP), Feder também atuou como assessor especial da Secretaria de Educação de São Paulo no governo de Geraldo Alckmin (PSDB), quando a pasta era comandada pelo desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), José Renato Nalini, entre 2016 e 2018. Feder também foi CEO da empresa de tecnologia Multilaser – ele deixou o posto para assumir a secretaria no Paraná.

Publicidade