Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Haddad: tarifa de ônibus custará menos de R$ 3,40 em SP

Prefeito afirma que o reajuste da tarifa será inferior à inflação no período

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), afirmou nesta terça-feira, que o novo valor da tarifa de ônibus em São Paulo ficará abaixo de 3,40 reais. O reajuste da passagem, que hoje custa 3 reais, deve ser definido até a próxima quinta-feira, data limite para a prefeitura enviar sua proposta de reajuste para a Câmara Municipal. A mudança passará a valer no dia 1º de junho.

Haddad disse que pediu à Secretaria Municipal dos Transportes que o valor seja inferior à inflação acumulada desde o último aumento, em 5 de janeiro de 2011. “Vai ser menos de 3,40 reais. Nós vamos fazer um esforço para ser o menor reajuste possível”, disse Haddad. Se o preço do bilhete fosse calculado com base nessa inflação, acumulada em 14,8%, seria de 3,44 reais.

“Determinei que nós fizéssemos um esforço adicional para dar o menor reajuste possível para o ano, ainda que tenhamos dois anos e meio de inflação acumulada”, declarou o prefeito.

Leia também:

Para ter corredor de ônibus, SP venderá áreas públicas

SP: pela 1ª vez em 9 anos, cai nº de passageiros de ônibus

SP quer informar velocidade dos ônibus no Google

Segundo Haddad, na quarta-feira, ele se reunirá com técnicos da Secretaria dos Transportes para analisar os “cenários” relativos tanto ao preço da tarifa quanto ao do subsídio pago às empresas de ônibus. Uma das principais promessas de campanha de Haddad, o Bilhete Único mensal, também terá o valor reajustado quando entrar em vigor.

Metrô – Além dos ônibus, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou na sexta-feira que o reajuste da tarifa do metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) também acontecerá no dia 1º de junho. Alckmin disse que o novo valor está sendo estudado. “Toda a gratuidade é o Tesouro quem paga”, afirmou o governador.

O Sindicato dos Metroviários disse nesta quinta-feira que a passagem do metrô será reajustada para 3,40 reais, mas o governo paulista não confirma o valor.

(Com Estadão Conteúdo)