Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Haddad já culpa vereadores por possível caos na 2ª – e faz apelo a empresas

Tentativa do prefeito de decretar feriado no dia de jogo do Brasil foi barrada. Agora, ele tenta que empresas e bancos escalonem saída de funcionários

Após ser derrotada na Câmara Municipal pela segunda vez em sua tentativa de decretar feriado na próxima segunda-feira, a prefeitura usou uma propaganda de rádio na quinta-feira para “culpar” os vereadores pelos possíveis transtornos no trânsito. No dia 23, Holanda e Chile jogam no Itaquerão, às 13 horas. Quatro horas depois, o Brasil enfrenta Camarões, em Brasília. Com a expectativa de caos, o prefeito Fernando Haddad (PT) ainda apelou à população que evite deslocamentos e aos empregadores que liberem funcionários de forma escalonada.

Leia também:

Saída antecipada para o jogo do Brasil trava São Paulo

Nesta sexta-feira, representantes da prefeitura têm reuniões com associações e entidades que representam comerciários, supermercados e bancos para negociar opções de horários de trabalho na segunda. Por causa do jogo na Arena Corinthians, a Radial Leste ficará interditada das 7 às 17 horas. Para atenuar os efeitos no tráfego, a administração ainda declarou ponto facultativo nos órgãos públicos e estendeu o horário do rodízio para carros de placas 1 e 2: das 7 às 20 horas.

As medidas visam evitar que o congestionamento alcance outra marca recorde, como ocorreu uma hora antes do último jogo do Brasil, na terça-feira, quando a cidade teve 302 quilômetros de lentidão às 15 horas. Na quinta-feira, em entrevista à Radio Estadão, Haddad pediu para que as pessoas fiquem atentas. “Quem puder, escalone a liberação de seus funcionários, adie trajetos pela cidade, de segunda para terça, e assim por diante. Isso tende a aliviar, apesar de não ser o ideal”, disse o petista.

A vice-prefeita, Nádia Campeão (PCdoB), ainda recomendou um melhor planejamento dos paulistanos na volta do feriado de Corpus Christi. “Quem sair para o feriado prolongado pode retornar ou no domingo ou na segunda-feira após o jogo”, sugeriu.

Derrota – No rádio, a prefeitura diz estar “buscando alternativas”, “uma vez que a Câmara não aprovou o feriado”. Nem a base aliada deu quórum suficiente para abrir a votação na quarta-feira. Mas Haddad atenuou a falta de união dos vereadores que teoricamente lhe dão sustentação na Casa, como representantes do PR, DEM e PMDB. O prefeito preferiu dizer que eles não tiveram tempo suficiente para se debruçar sobre algo que já tinha sido decidido no mês passado – a mesma solicitação foi rejeitada no dia 20.

Haddad afirmou, porém, que a oposição agiu de forma incorreta. “Poderia ter votado contra, mas ao menos dado quórum. A oposição tem confundido os interesses da cidade com interesse políticos partidários”, reclamou. Líder do PSDB, o vereador Floriano Pesaro disse que a oposição fez o seu papel, de fiscalizar e cobrar planejamento da Prefeitura. Segundo ele, o tema entrou em pauta de última hora. “O prefeito tem tentado de forma recorrente jogar a culpa de seus problemas para a Câmara ou para a Justiça. Mas o próprio líder do PT (vereador Alfredinho) reconheceu ontem que a base não deu apoio. Também, a base está enlouquecida com a falta de prioridade desse governo”, afirmou.

Justificativa – A Secretaria Municipal de Comunicação informou na quinta-feira que o anúncio veiculado nas rádios apenas informa sobre a intenção da prefeitura de amenizar os impactos no trânsito. Não se trata, segundo a pasta, de jogar a culpa no Legislativo.

(Com Estadão Conteúdo)