Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Guido Mantega é alvo de condução coercitiva na nova fase da Zelotes

Sétima fase da operação mira empresário amigo do ex-ministro da Fazenda; Polícia Federal cumpre 27 mandados em cinco Estados

Por Da Redação 9 Maio 2016, 08h46

O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega foi alvo de mandado de condução coercitiva (quando a pessoa é levada obrigatoriamente a prestar depoimento) na sétima fase da Operação Zelotes, deflagrada na manhã desta segunda-feira. Além da ação contra o ex-ministro, agentes da Polícia Federal cumprem hoje outros 14 mandados de condução coercitiva e 12 de busca e apreensão em cinco Estados – Distrito Federal, São Paulo, Pernambuco, Paraíba e Santa Catarina.

A Zelotes trabalha com duas linhas de investigação: uma apura um suposto esquema de fraudes em julgamentos do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), órgão ligado ao Ministério da Fazenda responsável por avaliar recursos de empresas multadas pela Receita Federal. E a outra investiga a compra de medidas provisórias de incentivos fiscais a companhias automobilísticas.

Um dos principais alvos da nova etapa da Zelotes é a empresa Cimenta Penha, do empresário Victor Garcia Sandri, amigo de Mantega. De acordo com as investigações, a empresa teria comprado o então conselheiro do Carf Valmar Fonseca de Menezes para anular o seu débito na Receita. Os procuradores afirmam que o ex-ministro nomeou Valmar e também o então conselheiro José Ricardo da Silva – já condenado na Zelotes – para a câmara que apreciou o caso do seu amigo. Com isso, a Cimento Penha conseguiu abater uma dívida milionária em julgamento no Carf.

Em janeiro deste ano, o ex-ministro da Fazenda já havia prestado depoimento no âmbito da Zelotes. Na ocasião, ele negou à PF que tivesse conhecimento dos esquemas de corrupção. No fim do ano passado, Mantega teve os sigilos bancário e fiscal quebrados por decisão do juiz da 10ª Vara Federal de Brasília, Vallisney de Souza Oliveira, responsável pelos inquéritos da Zelotes.

Iniciada em março do ano passado, a operação apura os crimes de advocacia administrativa fazendária, tráfico de influência, corrupção ativa e passiva, associação criminosa e lavagem de dinheiro praticadas por uma “estrutura criminosa complexa” formada por conselheiros e ex-conselheiros do Carf, advogados e empresas, conforme nota da PF.

Leia também:

Mantega e Coutinho usaram BNDES para pedir doações a campanha de Dilma, diz Odebrecht

Zelotes: MPF denuncia 23 pessoas por corrupção

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês