Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Guardas civis de São Paulo serão treinados para combater tráfico de pessoas

Quarenta agentes serão capacitados para detectar casos em situações como cárcere privado, trabalho escravo e exploração sexual

Por Da Redação 28 jul 2015, 12h04

Em uma iniciativa inédita no país, quarenta guardas civis metropolitanos de São Paulo serão treinados pelo Ministério da Justiça para auxiliar no combate ao tráfico de pessoas de forma operacional e preventiva. O secretário municipal de Segurança Urbana, Ítalo Miranda, apresentou o projeto na segunda-feira no centro da cidade, durante a inauguração da Semana de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

A Guarda Civil terá treinamento para detectar casos de tráfico de pessoas em situações como cárcere privado, trabalho escravo e exploração sexual. Dessa forma, mais atentos aos indícios, os guardas poderão ajudar na identificação e denúncia, repassando informações tanto para Ministério Público do Trabalho como para a Polícia Federal.

Leia mais:

Subprefeituras perdem R$ 730 mi na gestão Haddad

MP investiga redução de velocidade nas marginais

Para cobrir prejuízos, Sabesp vende imóveis e cobra dívidas

Continua após a publicidade

“Os homens da guarda civil serão designados para o centro de formação, onde vão receber instruções de agentes [da Secretaria Nacional de Segurança, do Ministério da Justiça]. Esses quarenta guardas serão os multiplicadores”, disse Miranda. A partir da formação desse grupo, com previsão de início na próxima semana, haverá disseminação do conhecimento para o restante da tropa.

O trabalho escravo é uma das finalidades do tráfico de pessoas e, por isso, o Ministério Público do Trabalho (MPT) está envolvido nas ações dessa semana, que marca o combate a este crime. A procuradora do MPT, Ana Gabriela Oliveira de Paula, explica que, na área urbana das cidades, predominam o trabalho escravo em confecções têxteis e na construção civil. Já na parte rural, o corte de cana é um dos vilões.

Para a procuradora, tão importante quanto as ações de flagrante, no local onde o trabalho escravo ocorre, são as ações preventivas: “Essas atuações são trabalhos de conscientização e qualificação, para esclarecer o trabalhador das condições análogas à escravidão no trabalho”. “E outra [atuação] é evitar que aquele trabalhador que já foi resgatado uma vez volte àquela situação degradante”, acrescenta Ana Gabriela, sobre a necessidade de conscientização para a melhoria nas condições de vida dos trabalhadores.

Duas campanhas de conscientização do tráfico de pessoas foram apresentadas na segunda-feira ao público pelo governo municipal. A primeira é a Gift Box, uma grande caixa de presente que está exposta em frente ao Teatro Municipal da capital paulista. Quando aberta pelas pessoas, a caixa apresenta imagens e relatos de vítimas do tráfico.

A outra ação é uma iluminação especial na cor azul que ficará durante toda a semana em monumentos históricos da cidade, como o Teatro Municipal, o Viaduto do Chá, a Ponte das Bandeiras, a Biblioteca Mário de Andrade, a Estátua do Borba Gato e o Monumento às Bandeiras. A luz colorida é referência à campanha mundial sobre o tema “Coração Azul”, promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU).

(Com Agência Brasil)

Continua após a publicidade
Publicidade