Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Gráfica usada por ‘laranjas’ do PSL não funcionava havia dois anos, diz PF

Batizada de Sufrágio Ostentação, operação identificou indícios de irregularidades em campanhas com custo por voto até trinta vezes maior que eleitos

Por Da Redação Atualizado em 29 abr 2019, 18h27 - Publicado em 29 abr 2019, 17h56

Declarada como prestadora de serviço por supostas candidatas”laranjas” do PSL em Minas Gerais, a gráfica de Reginaldo Donizete Soares não funcionava havia mais de dois anos, segundo investigações da Polícia Federal. Reginaldo é irmão de Roberto Soares, um dos principais assessores atual do ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio à época das eleições.

A constatação foi feita por agentes em meio ao inquérito que apura se candidatas mulheres foram utilizadas como “laranjas” para desviar parte dos 30% do Fundo Eleitoral reservados a elas. Durante o pleito do ano passado, Marcelo Álvaro, que também é deputado licenciado, foi o presidente do diretório mineiro do PSL, responsável pela definição das candidaturas e pela distribuição dos recursos públicos.

Nesta segunda-feira, 29, a Polícia Federal desencadeou a Operação Sufrágio Ostentação. Entre os alvos, foi cumprido mandado de busca e apreensão na sede do PSL em Minas Gerais. Segundo o delegado Marinho Rezende, o nome está relacionado aos valores empenhados: enquanto os candidatos eleitos gastaram uma média de 10 reais por voto, as supostas laranjas do partido declararam um investimento de até 300 reais por voto recebido.

Também foram cumpridos mandados de busca na casa de Reginaldo Soares e em seis gráficas, distribuídas entre as cidades mineiras de Contagem, Lagoa Santa, Belo Horizonte e Coronel Fabriciano.

O ministro Marcelo Álvaro Antônio não é formalmente investigado na operação desta segunda-feira. De acordo com Rezende, responsável pelo inquérito, o foco desta fase do inquérito foram as declarações de prestação de contas das candidatas. “Investigações sobre dirigentes do partido serão feitas depois”, disse, completando que, sobre ao menos quatro candidatas, foram identificadas possíveis irregularidades.

Os nomes não foram citados. Candidatas da legenda nas eleições do ano passado denunciaram à PF e ao Ministério Público o esquema, que funcionaria basicamente com o repasse dos valores às candidatas – recursos que, posteriormente, seriam devolvidos ao partido e seus dirigentes. Ainda não está claro se o objetivo era a apropriação dos valores ou o repasse a candidatos homens, subvertendo a cota determinada pela lei.

Ministro

Desde que começaram as suspeitas sobre o caso, o ministro Marcelo Álvaro nega seguidamente qualquer irregularidade. Segundo ele, “a distribuição do Fundo Partidário do PSL em Minas Gerais cumpriu rigorosamente o que determina a lei” e que ele não pode “ser responsabilizado pela contratação de prestadores de serviços em campanhas de outros candidatos”.

Marcelo Álvaro também é crítico da relação entre os valores gastos e os votos obtidos por cada candidato como indicativo de ilegalidades. “Se existisse qualquer relação entre gasto na campanha e votos, o presidente Jair Bolsonaro, que gastou vinte vezes menos que o outro candidato, não teria sido eleito”, afirmou.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)