Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Governo terá cerca de quinze ministérios, afirma aliado de Bolsonaro

Braço-direito do presidente eleito, Gustavo Bebianno disse que os nomes de metade dos futuros ministros já estão definidos e que aguarda sim de Moro

Por Da Redação
Atualizado em 4 jun 2024, 16h34 - Publicado em 30 out 2018, 13h52

O advogado Gustavo Bebianno, integrante da Executiva Nacional do PSL e aliado próximo do presidente eleito Jair Bolsonaro, afirmou nesta terça-feira que o novo governo terá “mais ou menos quinze” ministérios. Ele também disse que aproximadamente metade dos nomes dos titulares das pastas já está definida, incluindo um “forte” para comandar a Educação.

Atualmente, são 29 pastas ministeriais.

Oficialmente, três nomes já foram anunciados: o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) para a Casa Civil, o general da reserva Augusto Heleno para a Defesa e o economista Paulo Guedes para a Fazenda. Bolsonaro já afirmou também conversar com o ex-astronauta Marcos Pontes para a Ciência e Tecnologia e cogitar o juiz federal Sergio Moro para a pasta da Justiça. O próprio Bebianno deve assumir uma função, ainda não definida.

Sobre Moro, responsável pela Operação Lava Jato no Paraná, ele disse que espera que o magistrado “se engaje de alguma forma”. O juiz também é cotado para uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), que só estará disponível com a aposentadoria do ministro Celso de Mello, em 2020. “[Moro] é um nome muito emblemático, um nome muito importante para o Brasil, para a população do Brasil, estamos na expectativa de que ele aceite se engajar de alguma forma”.

Continua após a publicidade

Bebianno participa nesta terça-feira de uma reunião com Bolsonaro, Lorenzoni e Paulo Guedes para definir os detalhes da transição. O presidente eleito tem direito a indicar até cinquenta nomes para compor o comitê, que ficará instalado no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, e será remunerado pelo governo federal para trabalhar na “passagem de bastão”.

“Estamos montando uma equipe profissional de executivos capazes de olhar para o Brasil de uma forma mais organizada do que é hoje. Quando tiver novidades vamos anunciar”, disse o advogado a jornalistas.

Reforma da Previdência

Gustavo Bebianno disse que a reforma da Previdência não seria um dos temas tratados na reunião, mas que é muito importante. “Não vamos tratar disso agora. É interesse do Brasil resolver essa questão, independentemente de que governo seja, existe um déficit gigantesco e isso quanto mais cedo for votado, melhor. Mas isso não vai ser tratado hoje.”

Segundo ele, o projeto sobre o tema que está em discussão no Congresso Nacional é “um remendo”. “Há reformas que poderiam ser implementadas de maneira mais efetiva, mais justa, o Paulo Guedes tem um desenho já bastante detalhado disso. Mas se for possível a aprovação esse ano do que está lá, é melhor do que nada.”

(Com Agência Brasil)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.