Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Governo federal inclui no PAC obra de integração hídrica em SP

Empreendimento está orçado em 830 milhões de reais e deve aumentar a disponibilidade hídrica do sistema Cantareira

Por Gabriel Castro, de Brasília - 23 jan 2015, 18h03

O governo federal aprovou nesta sexta-feria a inclusão, no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), de uma obra destinada a amenizar os efeitos da crise hídrica em São Paulo. A decisão foi tomada após reunião do Comitê Gestor do PAC, formado por sete ministros, na tarde desta sexta, que atendeu a um pedido feito pelo governo paulista em dezembro.

Leia também:

Alckmin admite pela 1ª vez racionamento de água em SP

Alckmin leva a Dilma obras de R$ 3,5 bilhões contra crise da água

Publicidade

Como São Paulo pode superar a crise hídrica

A obra vai interligar a bacia do Rio Paraíba do Sul à do sistema Cantereira por meio de um canal entre as represas Atibainha, em São Paulo, e o reservatório Jaguari, no Rio de Janeiro. Como parte do PAC, o empreendimento passa a ser tratado como prioritário e deve ficar imune a cortes orçamentários. Apesar de ter sido programado para atender o Estado de São Paulo, o canal também permitirá o fluxo inverso. No sentido São Paulo, a vazão máxima será de 12,2 metros por segundo. No sentido Rio de Janeiro, será de 8,5 metros por segundo.

O empreendimento está orçado em 830 milhões de reais e deve aumentar a disponibilidade hídrica do sistema Cantareira em um volume médio de 5,1 metros por segundo. “Não vamos ter nenhum limite de esforços no governo no que diz respeito a apoiar financeiramente as obras para aumentar a oferta de água no Brasil”, disse a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, após o anúncio da decisão.

O governador Geraldo Alckmin e a presidente Dilma Rousseff haviam assinado em 4 de dezembro um termo de compromisso para a realização de obras que aumentam a integração do sistema hídrico paulista. Uma delas é a parceria-público-privada para concretizar o Sistema Produtor São Lourenço, que deve atender 1,5 milhão de pessoas.

Publicidade

Especial: Tudo é água

Publicidade