Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo Bolsonaro tem avaliação positiva de 38,9%, diz CNT/MDA

Avaliação pessoal do presidente é melhor, com 57,5% de aprovação; para a maioria dos entrevistados, gestão atual é melhor que as de Temer e de Dilma

O governo do presidente Jair Bolsonaro é bem avaliado por 38,9% dos brasileiros, apontou pesquisa CNT/MDA divulgada nesta terça-feira, 26. Esta é a primeira avaliação da atual gestão desde o seu início, em 1º de janeiro (veja os números abaixo).

Considerando as primeiras pesquisas feitas pelo instituto em governos anteriores, a avaliação positiva de largada é pior que as dos dois mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) – 56,6% (feita em janeiro de 2003) e 49,5% (em abril de 2007), respectivamente – e da primeira gestão de Dilma Rousseff (PT) – 49,2%, medida em agosto de 2011 -, mas é melhor que as do segundo mandato da petista – 10,8% em março de 2015 – e a da administração de Michel Temer (MDB) – 11,3% em junho de 2016.

Já a figura do presidente teve uma avaliação melhor: apoio de 57,5% dos pesquisados. O levantamento ouviu 2.002 pessoas entre os dias 21 e 23 de fevereiro em 137 municípios de 25 unidades da federação. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

Avaliação do governo

  • Positiva: 38,9%;
  • Negativa: 19%;
  • Regular: 29%;
  • Não souberam opinar: 13,1%

Avaliação pessoal do presidente

  • Aprovam: 57,5%;
  • Desaprovam: 28,2%;
  • Não souberam opinar: 14,3%.

Os 57,5% que aprovam o desempenho pessoal de Bolsonaro até o momento representam o maior índice obtido por um presidente desde novembro de 2013, fim do primeiro mandato de Dilma Rousseff (PT).

Comparação com outros presidentes

O instituto também pediu para que os entrevistados fizessem comparações entre o governo Bolsonaro e os dos ex-presidentes Michel Temer (MDB) e Dilma Rousseff (PT).

  • Melhor que o de Temer: 55,4%;
  • Melhor que o de Dilma: 55,9%;
  • Igual ao de Temer: 24,3%;
  • Igual ao de Dilma: 19,4%;
  • Pior que o de Temer: 8,7%;
  • Pior que o de Dilma: 14,5%

(Com Reuters)