Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governador do PSL nomeia deputado comunista como líder em Roraima

Governadores eleitos pelo PSL em três estados fogem do modelo de Jair Bolsonaro e dialogam com a oposição, do PT ao MST

O governador de Roraima, Antonio Denarium (PSL), fez algo impensável para o governo Bolsonaro e escolheu um “comunista” para ser seu líder de governo na Assembleia: o deputado Soldado Sampaio, do PCdoB. Sobre a óbvia contradição, Sampaio disse que aceitou o convite do governador “pensando no bem-estar de Roraima”.

“De fato, ideológica e partidariamente é uma contradição e não dá para tapar o sol com a peneira, mas pensando no bem-estar de Roraima é que aceitei assumir a liderança do governo”, afirmou, ao site da Assembleia Legislativa. Soldado Sampaio disse ser “radicalmente contra” a reforma da Previdência, proposta central do governo federal comandado pelo PSL.

“Deixei claro ao governador que não abro mão da minha história, da minha luta e das minhas promessas de campanha. O partido do governador defende a reforma da Previdência, que sou radicalmente contra. Mas também não vivo alheio aos problemas do estado e, por um viés partidário, não posso torcer para dar errado”.

Em Santa Catarina, o governador Comandante Moisés (PSL) também surpreendeu os eleitores ao abrir a porta do Palácio Cruz e Sousa, sede do governo estadual, para deputados do PT e integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Apesar de eleitos pelo PSL de Jair Bolsonaro, Denarium e Moisés têm procurado se distanciar do modelo de governo do presidente da República. A dificuldade na relação entre Executivo e Legislativo também se reproduz nos dois estados, mas, enquanto Bolsonaro promove uma cruzada contra a esquerda e insiste na retórica ideológica, eles procuram ser pragmáticos: dialogam com a oposição e evitam a pauta de costumes.

O PSL elegeu um terceiro governador – Coronel Marcos Rocha, em Rondônia. A exemplo dos colegas de partido, ele não patrocinou até agora debate sobre temas como Escola Sem Partido ou fez menção de interferir no currículo escolar. O mais próximo que fez de Bolsonaro foi trabalhar pela militarização de escolas públicas, projeto que já era debatido no estado.

“Não existe atrelamento à agenda bolsonarista ideológica. Era mais uma perspectiva dessas propostas liberais, principalmente do agronegócio”, analisou o cientista político Eloi Senhoras, da Universidade Federal de Roraima. Segundo o pesquisador Joseni Dettoni, da Universidade Federal de Rondônia, o governador do estado “é mais moderado que Bolsonaro. No que mais se assemelham é o militarismo”.

O esforço para construir pontes com partidos de oposição tem uma razão: a falta de uma maioria no Legislativo que garanta a aprovação de projetos dos governadores. Moisés (SC), por exemplo, conta com uma base de apenas seis deputados entre quarenta parlamentares. Em Rondônia, o roteiro se repete. O governador teve um pedido de impeachment protocolado na Assembleia Legislativa em 1.º de abril.

Diferentes nos estilos e estratégias, os governadores guardam, contudo, semelhanças com o presidente. A mais visível é a escolha de militares para cargos nos governos de Moisés e Rocha. No primeiro caso, das doze secretarias, quatro são ocupadas por militares – Saúde, Segurança, Infraestrutura e Administração. Em Rondônia o número é maior: sete dos 19 secretários e chefes de autarquias são militares.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. André Liberdade de Expressão é meu direito CF Art Quinto

    Aí não dá meu filho! A coisa é EVIDENTE! Está trazendo um MARXISTA ASSUMIDO para o governo! Chuta esse negócio!

    Curtir

  2. Jose Roberto de Lima Machado

    …traição,oportunismo ou trocou a pele!..

    Curtir