Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Gilmar Mendes susta inquérito contra Beto Richa, governador do PR

Campanha do tucano na eleição de 2014 teria sido financiada com dinheiro de propina, segundo delação premiada acertada com o Ministério Público estadual

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, concedeu liminar nesta segunda-feira suspendendo inquérito que tramita no Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB).

Na decisão, o ministro afirma que “a manutenção do trâmite de investigação sem um mínimo de justa causa contra o governador do Estado compromete, não apenas a honra do agente público, mas também coloca em risco o sistema político.”

O inquérito foi aberto para para apurar delitos de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica eleitoral, tendo como base informações prestadas por Luiz Antônio de Sousa, em acordo de colaboração premiada. A defesa alega que o acordo foi “ilegalmente celebrado com o Ministério Público do Estado do Paraná e indevidamente homologado pelo juiz da 3ª Vara Criminal de Londrina”.

O ministro concordou. “O Ministério Público local não apenas invadiu, por duas vezes, a competência da Procuradoria-Geral da República e do Superior Tribunal de Justiça, mas também o fez oferecendo ao acusado benefícios sem embasamento legal, gerando uma delação pouco confiável e não corroborada por outros elementos, a qual foi reputada suficiente para a abertura das investigações contra o governador do Estado”.

O colaborador sustentou que um grupo de auditores da Receita do Estado do Paraná cobrava de empresários vantagem indevida para deixar de apurar ou reduzir tributos. Durante o período eleitoral de 2014, parte dos recursos teria sido repassada à campanha de Richa para governador. O ministro afirma na sua decisão que, embora o delator tenha citado um governador do Estado, “a colaboração não foi realizada pela Procuradoria-Geral da República e submetida à homologação do Superior Tribunal de Justiça”.

“Está bem assentado no STF que a delação de autoridade com prerrogativa de foro atrai a competência do tribunal competente para a respectiva homologação e, em consequência, do órgão do Ministério Público que atua perante a Corte”, escreveu Mendes.

A defesa do governador também questionou os benefícios concedidos ao delator. “O acordo envolveu benefícios ao delator, inclusive, em relação a delitos contra a dignidade sexual – estupro de vulnerável e exploração sexual de vulnerável – pelos quais o colaborador era investigado”, informou.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Luiz Chevelle

    Se você for corrupto ou psicopata disfarçado de médico, conte com a boa vontade de Gilmar “Boca de Hipopótamo” Mendes.

    Curtir