Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

General lidera as apostas para vice de Bolsonaro, mas com menos folga

Braga Netto é a opção preferencial do presidente, que se surpreendeu com a reação positiva à possibilidade de Tereza Cristina ser a sua parceira de chapa

Por Daniel Pereira Atualizado em 25 jun 2022, 12h15 - Publicado em 25 jun 2022, 12h10

Jair Bolsonaro tem uma certeza e uma dúvida sobre a função de vice em sua chapa à reeleição. A certeza: o posto não será ocupado pelo general Hamilton Mourão, que deve disputar uma cadeira no Senado pelo Rio Grande do Sul. A dúvida: quem será escolhido para a vaga. Desde que o assuntou começou a ser tratado, o presidente deixou claro que a sua prioridade é convocar para a missão alguém de sua estrita confiança, que não seja um político profissional e não tenha relação com o Congresso. Com esse perfil, o ex-capitão acha que reduz o risco de ser traído e de o vice conspirar para derrubá-lo por meio de um processo de impeachment. Por isso, ele elegeu como seu “plano A” o general Walter Braga Netto, ex-ministro de seu governo.

Já o Centrão tenta desde sempre convencer Bolsonaro de que o ideal é um político na vice — de preferência, alguém com potencial para reduzir a rejeição do presidente em certos nichos do eleitorado, como as mulheres ou os nordestinos. Vários nomes foram cogitados para a função. A mais nova aposta, mencionada por iniciativa do próprio presidente, é a ex-ministra da Agricultura Tereza Cristina, que pretende concorrer ao Senado por Mato Grosso do Sul. Em público, ninguém se manifesta sobre as opções disponíveis. Nos bastidores, no entanto, coordenadores da campanha à reeleição, como Ciro Nogueira e Valdemar Costa Neto, preferem Tereza a Braga Netto, mas ninguém crava quem será o escolhido.

Há pouco tempo, a opção pelo general parecia liquida e certa. Até Bolsonaro falou que Braga Netto tinha 90% de chance de ocupar o posto. O quadro mudou nos últimos dias principalmente porque o próprio Bolsonaro disse ter ficado surpreso com a reação positiva à possibilidade de Tereza Cristina ser a sua vice em 2022. “Hoje, a cotação da ministra Tereza, que era próxima a zero, digamos que subiu para 30%”, resume um auxiliar do presidente enfurnado na campanha eleitoral.


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)