Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

General do Exército expõe problemas da ocupação e falhas da polícia no Complexo do Alemão

Comandante militar do Leste critica falta de ocupação em duas favelas, dá nome de traficante que ronda o Alemão e diz que bandidos se preparavam para a saída das Forças Armadas

Por Cecília Ritto 7 set 2011, 19h59

“Não sei explicar por que essas duas comunidades ficaram de fora da ocupação”, disse o general Adriano

Desde a noite do último domingo, o Exército é a vidraça do processo de pacificação de favelas no Rio de Janeiro. Um tumulto envolvendo militares e moradores de uma parte da favela rendeu manchetes negativas para o governo do estado e deixou a impressão de que as Forças Armadas não tinham o controle da situação. Na tarde desta quarta-feira, pouco depois do fim do desfile de 7 de setembro, o general Adriano Pereira Júnior, comandante militar do Leste, apresentou a versão oficial do ocorrido. Sem querer – ou não tão por acaso como se pode supor – deu também detalhes importantes que o governo do estado não admitia até então, ou simplesmente omitia.

O oficial afirmou que a tropa foi surpreendida pelos tiros da noite de terça-feira. Mas evitou que o Exército entrasse para a história como um grupo despreparado. O fogo pesado partiu dos morros do Adeus e da Baiana. “Não sei explicar por que essas duas comunidades ficaram de fora da ocupação”, disse o general Adriano. A prova de que o lugar precisava estar ocupado foi a reação na manhã desta quarta-feira: a Polícia Militar ocupou as duas favelas por tempo indeterminado.

O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, sentado ao lado do general, disse acreditar que “um grupo pequeno” de traficantes tenha entrado pela Vila Cruzeiro. Devolveu, assim, a bola para o Exército, que ocupa o Complexo da Penha. Novamente, o oficial pôs o pé no chão. “Temos como impedir a entrada de armas e que elas causem danos. Mas não temos como impedir que um veículo entre com algum traficante”, explicou. Em síntese, para o Exército, há um trabalho de polícia fora do Alemão que precisa ser feito.

A prisão dos traficantes que fugiram do Complexo do Alemão é algo que ficou muito aquém do desejável. O primeiro chefão do tráfico foragido do conjunto de favelas a ser preso foi Lúcio Mauro Carneiro dos Passos, o ‘Biscoito’ da Mangueira. Ele foi capturado em 5 de agosto – a ocupação aconteceu em novembro de 2010.

O ocupante do posto mais alto das Forças Armadas no estado do Rio, do Espírito Santo e de Minas Gerais deu, de leve, um recado sobre o que pode e deve ser feito. “Tem um traficante que vai lá quase todas as noites. Quando olheiros percebem a patrulha, ele é avisado e não entra”, disse o general, citando, inclusive, o nome do bandido.

Continua após a publicidade

A tese do general para o aumento da tensão entre os criminosos e seus pares no Complexo do Alemão também põe sobre a Polícia Militar uma marca desagradável. Segundo o comandante militar do Leste, os criminosos já estavam preparados para a saída do Exército da favela, em outubro próximo. Mas, com o anúncio da prorrogação da ocupação pelas Forças Armadas, ficou mais difícil ensaiar uma retomada do movimento das bocas de fumo. “Eles teriam que adiar qualquer ação mais forte. É uma reação à presença do Exército”, afirmou, ao lado do comandante-geral da PM, como quem estabelece uma linha divisória para a volta do tráfico em larga escala.

LEIA TAMBÉM:

Os bandidos ainda estão no Alemão, muito bem armados

O estado e o Exército não se entendem no Alemão

A pacificação em xeque: manutenção do Exército no Alemão é irregular

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)