Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Fracasso do 1º de Maio vira arma para pressionar o governo

Centrais cobram do presidente Lula empenho para recriar mecanismo de financiamento de sindicatos

Por Hugo Marques Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 Maio 2024, 14h00 - Publicado em 4 Maio 2024, 09h52

Até 2017, dinheiro não era problema para as entidades sindicais. As centrais e os sindicatos arrecadavam 3,6 bilhões de reais apenas com o desconto obrigatório do valor correspondente a um dia de trabalho de todo brasileiro que tinha carteira assinada. O caixa cheio financiava atividades políticas, greves, passeatas, viagens, mordomias de dirigentes  e a comemoração do 1º de Maio — um evento tradicionalmente grandioso que contava com a participação de grandes artistas e sorteios de carros que atraíam dezenas de milhares de pessoas.

A reforma trabalhista aprovada no governo do ex-presidente Michel Temer, porém, extinguiu o imposto e acabou com a mamata. Sem o dinheiro fácil, as centrais foram obrigadas a reduzir suas despesas. A comemoração do Dia do Trabalhador deste ano deixou isso bem claro. Com a presença do presidente Lula, mas sem os artistas famosos, os ônibus alugados e os sorteios, o público que compareceu ao estádio do Corinthians, em São Paulo, foi diminuto.

Segundo cálculo do Monitor do Debate Político da USP, apenas 1.635 pessoas compareceram à festa. Lula reclamou. “O ato está mal convocado”,disse o presidente. “Nós não fizemos o esforço necessário para levar a quantidade de gente que era preciso levar”. O fracasso vai ser usado pelos sindicatos como arma para pressionar o governo.

Centrais querem nova ‘taxa’

No exato momento em que Lula discursava no ato esvaziado, conforme mostrou VEJA, as centrais anunciavam a disposição do governo em enviar ao Congresso um projeto de lei  criando um novo mecanismo para financiar as entidades. Histórico pilar de sustentação do PT e de Lula, os sindicalistas lembraram o presidente que esse apoio político precisa de uma retribuição.

Continua após a publicidade

A proposta que está sendo modelada no Ministério do Trabalho estabelece que os sindicatos passariam a ser financiados por uma “taxa” que seria negociada com os trabalhadores em assembleias. É um compromisso do governo.

Durante a campanha política, em 2022, Lula prometeu às centrais a criação de um novo modelo de financiamento dos sindicatos. O presidente da Câmara, Arthur Lira, porém, já avisou ao governo que não aceitará retrocessos nas reformas que foram aprovadas pelo Congresso.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.