Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Forças Armadas criticam general que aventou intervenção militar

Ministro da Defesa, Raul Jungmann, conversou com o comandante do Exército sobre as declarações do general Antonio Hamilton Martins Mourão

O general do Exército Antonio Hamilton Martins Mourão falou por três vezes na possibilidade de intervenção militar em palestra realizada na noite desta sexta (15), na Loja Maçônica Grande Oriente, em Brasília. A atitude causou desconforto em Brasília. Oficiais-generais ouvidos criticaram a afirmação.

“Ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então teremos que impor isso”, disse o general em palestra gravada.

Por fim, afirmou que militares fazem juramento de “compromisso com a pátria”, independentemente de serem “aplaudidos ou não”. E encerrou: “O que interessa é termos a consciência tranquila de que fizemos o melhor e que buscamos, de qualquer maneira, atingir esse objetivo. Então, se tiver que haver, haverá.”

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, foi enfático e disse que “não há qualquer possibilidade” de intervenção militar. “Desde 1985 não somos responsáveis por turbulência na vida nacional e assim vai prosseguir. Além disso, o emprego nosso será sempre por iniciativa de um dos Poderes”, afirmou Villas Bôas, acrescentando que a Força defende “a manutenção da democracia, a preservação da Constituição, além da proteção das instituições”.

Depois de salientar que “internamente já foi conversado e o problema está superado”, Villas Bôas insistiu que qualquer uso das Forças Armadas será por iniciativa de um dos Poderes. No sábado, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, conversou com o comandante do Exército, que telefonou para Mourão para saber o que havia ocorrido. O militar, então, explicou o contexto das declarações.

Polêmicas anteriores

Esta não é a primeira polêmica protagonizada por Mourão, atual secretário de economia e finanças do Exército, cargo para o qual foi transferido em outubro de 2015, quando perdeu o Comando Militar do Sul por ter feito duras críticas à classe política e ao governo.

Antes, ele já havia desagradado ao Palácio do Planalto, ao ter atacado indiretamente a então presidente Dilma Rousseff (PT), ao afirmar que  “a mera substituição da PR (presidente da República) não trará mudança significativa no ‘status quo'” e que “a vantagem da mudança seria o descarte da incompetência, má gestão e corrupção”.

Procurado neste domingo, Mourão afirmou que não estava “insuflando nada” e que a interpretação das suas palavras “é livre”. Ele disse que falava em seu nome, não no do Exército, e que apenas respondeu a uma pergunta”.

Perguntado sobre como seria executada tal intervenção, ele responde que “não existe fórmula de bolo” para isso. E emendou: “Isso não é uma revolução. Não é uma tomada de poder. Não existe nada disso. É simplesmente alguém que coloque as coisas em ordem e diga: atenção, minha gente, vamos nos acertar aqui e deixar as coisas de forma que o país consiga andar, e não como estamos. Foi isso que eu disse, mas as pessoas interpretam as coisas cada uma de sua forma. Os grupos que pedem intervenção é que estão fazendo essa onda em torno desse assunto.”

Mourão estava fardado ao fazer a palestra. Ele permanecerá no serviço ativo até março do ano que vem, quando passará para a reserva.  Mourão que não vai se candidatar, apesar de existir página nas redes sociais sugerindo seu nome para presidente da República. “Não. Não sou político. Sou soldado.”

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Gilberto Goncalves

    Poxa, o General falou TUDO o que o cidadao de bem queria ouvir. Palestra resumida, inteligente, objetiva. Uma palestra assim valeria 200 mil reais e nao aquelas baboseiras faladas por aquele BEBADO. Brasilia está cheia de covardes, Jungmann, Villas-Boas e todos os líderes Nacionais dos 3 Poderes. Estao todos borrando as calcas com medo de HOMENS como Gen. Mourao. Todas as pessoas escolhidas por Dilma e Temer para Cargos de confianca nao valem nada, Dilma escolheu o Gen. Villas-Boas, nao pode ser Boa coisa.

    Curtir

  2. Adriana Furlaneto

    Parabens General Mourao, a populacao brasileira esta cansada de ter suas opinioes forjadas por essa midia que nao nos representa. Sou totalmente a favor de uma intervencao Militar ja! Mais uma vez parabens!! Agora precisa que o povo brasileiro se reuna em frente aos quarteis urgente para mostrar nosso apoio a uma das unicas instituicoes de credibilidade no Brasil.

    Curtir

  3. news da hora

    Esse mau exemplo , deve querer ir fazer companhia pros Tiririca , começou sua campanha .

    Curtir

  4. Esse general falou o que o povo queria ouvir…

    Curtir

  5. Carlos Roberto Batista

    Esse general tem meu apoio. Falou tudo o que temos vontade de falar e de ouvir. Depois que esses políticos acabaram com o país e com o povo brasileiro, só o exército mesmo pra dar um jeito nisso.

    Curtir

  6. Paschoal Rodrigo

    Avante irmãos ! Avante heróis !
    Voltar não desejamos.
    Lutando sempre, fugindo nuca
    Viver não imploramos.
    Unidos, coesos, machando
    Soldado da Velha Brigada!
    Parabéns General Mourão !
    Tu es isso e muito mais.

    Curtir

  7. Leila Pereira

    O POVO está contigo, General! A mídia esquerdalha não, mas essa NÃO nos representa!

    Curtir

  8. Pelo menos sei que há um homem de verdade no exército.

    Curtir

  9. Realmente o Exército não é responsável por turbulência na vida nacional. Entendo que deveria é agir para acabar com as “turbulências” (corrupção e parasitismo), a começar de auxílio paletó, $ 15 bilhões em emendas parlamentares e cargos para segurar a pessoa física no cargo, etc. Devemos lembra que inimigo da Pátria não é só inimigo externo

    Curtir

  10. Carlos Miller

    Raul Julgmann é um civil que não representa os militares e sim a quadrilha da corrupção (Um mero Boneco). O Ex.Sr. Gen Mourão está certíssimo em todas as suas colocações. Nós Brasileiro não suportamos mais essas baixarias dos três poderes. Esse papo furado de “Todas as instituições estão funcionado corretamente”, chega.

    Curtir