Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Filha de Fernandinho Beira-Mar toma posse como vereadora na Grande Rio

Dentista Fernanda Costa (MDB) era suplente na Câmara de Duque de Caxias, Baixada Fluminense, e assume vaga de vereador nomeado para secretaria municipal

Por Marina Lang
Atualizado em 4 jan 2021, 16h53 - Publicado em 4 jan 2021, 16h12

A filha do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, tomou posse como vereadora na Câmara Municipal de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense (região metropolitana do Rio de Janeiro), nesta segunda-feira, 4. 

A dentista Fernanda Costa (MDB), 36 anos, assume a cadeira do vereador e correligionário Sandro Lelis, escolhido pelo prefeito Washington Reis, também do MDB, como secretário de Serviços Públicos do município, que é o terceiro maior colégio eleitoral do estado do Rio, com 658 mil eleitores. A informação foi confirmada por meio de nota da Prefeitura de Duque de Caxias. 

De acordo com a documentação apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a filha de Beira-Mar não possui antecedentes criminais. Sua candidatura foi avalizada pelo Ministério Público Eleitoral (MPE). Ela recebeu 3.999 votos nas eleições do ano passado e já tinha tentado se eleger em 2016 para o mesmo cargo pelo PP, mas sequer chegou à suplência do partido. 

A dentista recebeu 110.759,16 reais em recursos para a campanha eleitoral – 90% do valor, o equivalente a 100 mil reais, veio do diretório regional do MDB. O prefeito Washington Reis, que concorreu à reeleição, doou 2.059 reais para a campanha de Fernanda. Diferentemente de 2016, quando declarou ter bens de 140 mil reais ao TSE, a candidata informou não possuir patrimônio em 2020. 

Procurada por VEJA, Fernanda não se manifestou – apenas encaminhou a nota oficial da prefeitura da cidade e uma breve biografia.  

Preso desde 2001, Fernandinho Beira-Mar é um dos principais líderes da facção criminosa Comando Vermelho (CV), e acumula penas de mais de 300 anos de prisão pelos crimes de homicídios, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e tráfico de drogas. Ele está preso na Penitenciária Federal de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Seu codinome vem da comunidade Beira-Mar, um dos redutos em que ele se estabeleceu no mundo do crime.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.