Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Família de Cabral alega ‘perseguição desmedida’ e teme pela sua segurança 

Após fiscais acharem regalias em unidade na qual ele estava preso, ex-governador do Rio foi transferido para presídio que abriga chefões do crime organizado

Por Caio Sartori, Sofia Cerqueira Atualizado em 4 Maio 2022, 14h24 - Publicado em 4 Maio 2022, 13h17

A família do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, transferido para um presídio de segurança máxima na noite desta terça-feira, 3, considera uma “perseguição desmedida e desproporcional” o castigo imposto a ele. O ex-cacique do MDB passará dez dias em Bangu 1, unidade que abriga presos de alta periculosidade, incluindo chefões do tráfico e da milícia – vários deles encarcerados durante as gestões de Cabral, o que gera nos parentes um temor de eventuais retaliações. 

“Essa decisão autoritária não tem precedentes. Quantas batidas foram feitas pela Vara de Execuções Penais (VEP) em diversos presídios, com coisas muito piores nas cadeias, e esse castigo não foi dado? Colocar o ex-governador e coronéis da PM em Bangu 1 é absurdo e caracteriza uma perseguição desmedida e desproporcional”, alega o filho Marco Antônio Cabral, hoje presidente do MDB carioca. 

Durante o castigo, o ex-mandatário do governo do Rio ficará numa cela de 5 metros quadrados, sem janela e sem direito a banho de sol durante os dez dias. Embora haja o receio dos familiares de eventual contato com chefes das facções Comando Vermelho, Terceiro Comando Puro e das milícias, ele não deve ter, segundo a decisão judicial, contato direto com esses criminosos. Uma ala inteira de Bangu 1 foi reservada para Cabral, o tenente-coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira e outros quatro detentos.

Cabral estava no Batalhão Especial Prisional (BEP), gerido pela Polícia Militar, em Niterói. Na semana passada, contudo, a VEP achou no local uma série de irregularidades no espaço que ele dividia com o tenente-coronel Oliveira, que cumpre pena acusado de matar a juíza Patrícia Acioli, assassinada em 2011. Na cela do ex-governador, foram encontradas toalhas com o nome dele bordado e prateleiras com fundo falso para supostamente esconder celular, mas os fiscais suspeitam que as regalias sejam bem maiores. Uma sacola achada numa área próxima à cela continha dois celulares, mais de 4 000 reais em espécie e até cigarros de maconha, também atribuídos ao político e ao policial. 

Outro indício de luxo encontrado pela Justiça é uma lista de pedidos feitos a restaurantes, entre eles uma farta refeição de 1 500 reais de comida árabe. Segundo o filho de Cabral, o restaurante seria ligado à família do tenente-coronel, o que livraria seu pai de culpa. “Essa lista, incluindo a comida árabe, se trata de uma relação de compras para o restaurante da esposa do Coronel Cláudio. Nada foi achado na cela do ex-governador, e ele não responde a nenhum processo administrativo-disciplinar”, afirma Marco Antônio. 

Depois dos dez dias em Bangu 1, Cabral deve voltar ao BEP, que passará por adequações para evitar novas regalias. O que mantém a prisão dele, detido pela primeira vez em novembro de 2016, são três prisões preventivas que ainda estão em vigor; outras duas foram derrubadas recentemente pela defesa. No total, o ex-governador responde a 33 processos, cujas penas passam dos 400 anos.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)