Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fachin quebra sigilo telefônico de dois ministros, mas poupa Temer

Ministro concordou com a PGR em inquérito que apura pagamento da Odebrecht e determinou quebra de sigilo apenas de Eliseu Padilha e Moreira Franco

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta quinta-feira, 7, o pedido da Polícia Federal para quebrar o sigilo telefônico do presidente Michel Temer no inquérito que investiga se a Odebrecht pagou 10 milhões de reais em propina ao grupo político do emedebista. Fachin, por outro lado, determinou a quebra do sigilo telefônico dos ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e de Minas e Energia, Moreira Franco, na mesma investigação.

A decisão do ministro, relator da Operação Lava Jato no Supremo, atende à manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR), que concordou com a quebra de sigilo nos casos de Padilha e Moreira, mas poupou Temer. Com o levantamento do sigilo telefônico, não será possível que se recupere o conteúdo de conversas, mas apenas se mapeie ligações e seus interlocutores.

O inquérito 4462 do STF investiga a suposta propina de 10 milhões de reais que a Odebrecht pagou ao grupo político de Michel Temer durante as eleições de 2014. Conforme delações de executivos da empreiteira, como Marcelo Odebrecht e o ex-diretor de relações institucionais Cláudio Melo Filho, o valor foi combinado em um jantar no Palácio do Jaburu, em maio daquele ano, do qual Temer e Padilha participaram.

Do montante, 6 milhões de reais foram supostamente destinados à campanha de Paulo Skaf ao governo de São Paulo e os 4 milhões de reais restantes, a Eliseu Padilha. O ministro teria recebido 1 milhão de reais em seu escritório de advocacia, em Porto Alegre, e pedido que a quantia restante fosse entregue ao ex-deputado Eduardo Cunha e a José Yunes, amigo e ex-assessor de Temer.

Depois de se demitir do cargo de assessor da Presidência, em fevereiro de 2017, Yunes disse a VEJA que, a pedido de Padilha, recebeu “um pacote” em seu escritório, em São Paulo, em setembro de 2014. “Fui mula involuntário”, afirmou o advogado, amigo de Michel Temer há 50 anos. “Padilha me ligou falando: ‘Yunes, olha, eu poderia pedir para que uma pessoa deixasse um documento em seu escritório? Depois, outra pessoa vai pegar’. Eu disse que podia, porque tenho uma relação de partido e convivência política com ele”, relatou.

Pouco tempo depois, Yunes estava em seu escritório quando, disse ele, a secretária informou que um homem chamado “Lúcio” estava ali para deixar um documento. Segundo o advogado, tratava-se de Lúcio Bolonha Funaro, lobista ligado ao MDB e, particularmente, a Cunha. Funaro fechou um acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR), no qual deu detalhes sobre o caminho do suposto pagamento da Odebrecht aos emedebistas.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Roberto T. Crespilho

    reportagem tendenciosa, ninguém poupou Temer, simplesmente seguiu o que manda a constituição,A Constituição não permite, segundo dispõe o Artigo 86.oque a policia federal quer, Restam a Temer menos de seis meses de mandato. Os dados das ligações continuarão lá. Mas quê… É preciso espezinhar, perseguir, tentar humilhar, mostrar quem manda, desestabilizar o país é o de menos, o deles funcionário publico ta garantido no fim do mês.

    Curtir

  2. Osmar Souza dos Santos

    Infelizmente esse ministro com essa decisão mostra para o Brasil que ele tem o rabo preso com esse safado desse presidente corrupto,tem que fazer uma lei pra quebrar o sigilo bancário e telefônico desses ministros do STF com certeza vão descobrir muita sujeira…

    Curtir

  3. Ataíde Jorge de Oliveira

    +
    CoNDu$ÇãO ¢OER$ÇIPTIVA,pf:ï:K£EyB&&R
    PORR@NQUANTO P£iM-P££ÏÏMM PaUTAR 😮

    Curtir

  4. Cicero Cândido da Silva

    A parcialidade da Globo é simplesmente indecente.No jornal nacional de agora a noite
    noticia em primeira pagina que o Ministro Fachin autorizou a quebra de sigilo dos dois ministros, Padilha e Moreira Franco, mas na mesma reportagem não fala do indeferimento do pedido da quebra do sigilo do Presidente Temer, no entanto, ontem na abertura do jornal falam que a PF pediu a quebra do sigilo dos três.Brizola tinha razão, quando dizia que se fosse eleito presidente da República cassaria a concessão da Globo no mesmo dia da posse.Esse emissora passou a fazer um tremendo mal ao Brasil.A partir de hoje não assisto mais os noticiários da Globo.

    Curtir

  5. salvador silva

    Pelo que entendi nesses últimos anos,os três poderes já não não comungam juntos,já existe uma nova ordem operando nos país,a ditadura do supremo,de guardião da constituição passou a ditar e mandar nas leis, ao meu ver estamos entrando em uma nova modalidade de ditadura,onde políticos e governos perderam o poder e o guardião assumiu a tarefa de investigar,julgar e condenar e absolver quem eles quiserem sem prévio aviso,ou estou errado?

    Curtir