Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Fachin dá 15 dias para PGR decidir se denuncia Temer sobre Odebrecht

PF concluiu investigação sobre supostos repasses da empreiteira dizendo ter havido corrupção do presidente e dos ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 12 set 2018, 22h39 - Publicado em 12 set 2018, 20h34

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin deu prazo de 15 dias para a procuradora-geral da República (PGR), Raquel Dodge, decidir se apresenta ou não denúncia contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Minas e Energia) no âmbito de um inquérito que apura se os emedebistas e seu grupo político receberam 14 milhões de reais da Odebrecht ilicitamente.

Delatores da Odebrecht apontam que a propina foi paga a integrantes do grupo político liderado por Temer, Padilha e Moreira como contrapartida ao atendimento de interesses da empreiteira pela Secretaria de Aviação Civil – pasta que foi comandada pelos dois ministros entre 2013 e 2015.

No relatório final do inquérito, a Polícia Federal concluiu pela existência de indícios de que Michel Temer, Eliseu Padilha e Moreira Franco cometeram crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O caso está relacionado com o jantar no Palácio do Jaburu, realizado em 2014 e detalhado nos acordos de colaboração premiada do ex-presidente do Grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e do ex-diretor de relações institucionais da empreiteira Cláudio Melo Filho. Então vice-presidente, Temer teria participado do encontro em que os valores foram solicitados.

Continua após a publicidade

No caso do presidente, a PF mapeou a entrega de 1,4 milhão de reais para o coronel aposentado da Polícia Militar de São Paulo João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, amigo de Michel Temer há 30 anos. Para sustentar a tese, a PF ouviu o doleiro Alvaro Novis, responsável pelas entregas, e anexou um conversa de telefone em que o próprio Lima aparece em ligação com funcionários da Hoya Corretora, empresa de Novis, nos dias das entrega dos valores.

“Pelo teor da conversa, resta inconteste que, ao ser informado sobre a chegada da encomenda, João Baptista Lima Filho informou que estava distante do local, solicitando que o horário fosse remarcado para as 15h, informação que acabou se refletindo nos diálogos mantidos via Skype”, diz trecho do relatório.

Continua após a publicidade

“Tendo em vista que foi acostado aos autos o relatório conclusivo da autoridade policial, dê-se vista dos autos à Procuradoria-Geral da República, para que se manifeste no prazo de 15 (quinze) dias”, determinou Fachin, em decisão assinada na última terça-feira, 11.

Defesa

Na semana passada, quando o relatório da PF foi concluído, o Palácio do Planalto afirmou que a conclusão do inquérito “é um atentado à lógica e à cronologia dos fatos.” “A investigação se mostra a mais absoluta perseguição ao presidente, ofendendo aos princípios mais elementares da conexão entre causa e efeito”, diz a nota enviada pelo Planalto.

O ministro Eliseu Padilha comunicou à época que não comentaria o caso. Moreira Franco disse que não solicitou valores à Odebrecht e que “as conclusões da autoridade policial se baseiam em investigação marcada pela inconsistência”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.