Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Fachin autoriza PGR a analisar se delação de Delcídio deve ser rescindida

Raquel Dodge citou que ex-senador trouxe, recentemente, informações que não foram reveladas na época do acordo

Por Estadão Conteúdo 7 jun 2018, 19h03

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu aval para que a Procuradoria-Geral da República (PGR) analise a possível rescisão do acordo de colaboração premiada do senador cassado Delcídio do Amaral, ex-PT e ex-PSDB, diante de suspeitas de omissão de informações na delação. A procuradora-geral Raquel Dodge quer avaliar se houve “houve má-fé” do delator.

A PGR pediu em maio acesso à integra do acordo do delator para decidir se abre um processo de revisão da colaboração de Delcídio, um dos responsáveis por agravar a crise política envolvendo o governo Dilma Rousseff (PT) no início de 2016, que culminou no impeachment da ex-presidente da República.

A suspeita de omissão apontada por Dodge veio após a PGR constatar que o delator, recentemente, trouxe depoimentos e documentos relativos a fatos sobre os quais nada havia informado quando firmou a delação premiada no início do ano passado.

Segundo o resumo feito pela procuradora-geral, Delcídio disse que o Grupo Odebrecht possuía créditos decorrentes de obras públicas já concluídas, que não eram pagas por incapacidade financeira dos estados. Para obter o pagamento da dívida, a Odebrecht teria pago R$ 400 mil a diversos agentes políticos do Mato Grosso do Sul, entre eles Zeca do PT, sob pretexto de doação para campanha eleitoral.

A explicação de Delcídio para não ter tratado desse tema durante a fase de colaboração foi a dificuldade de encontrar informações que corroborassem suas declarações, segundo Dodge. Ela foi a favor de que o relato e a documentação trazidas fossem incluídas na investigação já em andamento na Corte que trata do tema.

“Por outro lado, a demora do colaborador em trazer os fatos ao conhecimento do Ministério Público Federal merece delida apuração, para que seja averiguada se houve má-fé na omissão, com violação do disposto na cláusula 40ª, ‘e’ do acordo de colaboração premiada”, afirmou Dodge, ao pedir vista dos autos “para análise quanto à viabilidade de abertura de processo de revisão da presente colaboração premiada”.

Fachin aprovou sem ressalva, ao determinar que o material seja encaminhado para a procuradora-geral por um prazo de 15 dias depois do envio à PGR.  “Afigura-se legítima a renovação de vista almejada pela dominus litis (PGR), a fim de lhe viabilizar o meticuloso exame dos documentos colacionados e, assim, subsidiar eventual abertura de procedimento interno de revisão do acordo”, decidiu Fachin.

A defesa de Delcídio do Amaral disse que não irá comentar a decisão.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)