Clique e assine com 88% de desconto

Extratos de Costa na Suíça corroboram delações da Lava Jato

Novos documentos serão trazidos por procuradores que viajaram para localizar dinheiro desviado; material pode abrir novas frentes de investigação no Brasil

Por Da Redação - 28 nov 2014, 08h12

Os extratos bancários das contas suíças do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa confirmam depoimentos e delações de testemunhas e acusados de envolvimento no esquema de corrupção na estatal. Esses documentos também têm potencial para abrir novas frentes de investigações no Brasil.

Nesta sexta-feira, os três procuradores brasileiros que passaram a semana consultando documentos da investigação do Ministério Público (MP) suíço sobre o caso retornam ao Brasil munidos de novos materiais. Os documentos vão permitir que o MP brasileiro conclua as atuais investigações e acelere o processo para abrir a fase de instrução contra os principais suspeitos, caso as denúncias sejam aceitas pela Justiça.

No início do ano, os suíços iniciaram sua própria investigação e identificaram como as contas encontradas tinham relação direta com projetos da Petrobras, como a construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, e a compra de Pasadena, nos Estados Unidos. Costa poderá responder a um processo de lavagem de dinheiro na Suíça.

Leia também:

Publicidade

Petrolão: Suíça suspeita que remessas ultrapassam US$ 23 milhões

MPF rastreia dinheiro desviado da Petrobras no exterior

No total, cinco contas em nome do ex-executivo da Petrobras foram encontradas com um total de 26 milhões de reais depositados. Esses recursos serão repatriados ao Brasil e depositados em uma conta a ser administrada de forma conjunta pelo MP e pelo Supremo Tribunal Federal, após um acordo entre autoridades dos dois países.

Mas é o que indicam os extratos e nomes de quem fez os depósitos que mais chama a atenção do grupo de investigadores brasileiros. O conteúdo dos extratos, quem alimentou as contas na Suíça e quem recebeu o dinheiro estão sendo mantidos em total sigilo enquanto a delegação brasileira estiver em Lausanne.

Publicidade

Entre os nomes buscados estão o lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano e apontado nas delações como operador do PMDB, além de empresas e intermediários.

Os documentos foram liberados pelos bancos suíços por exigência da Justiça, que acumula um verdadeiro dossiê sobre como funciona o pagamento de propinas no Brasil. Algumas das evidências apontam que as contas e o esquema financeiro operam há anos, principalmente em Genebra.

A expectativa é de que essa não será a única ida à Suíça do grupo de procuradores brasileiros – Orlando Martello, Deltan Dallagnol e Eduardo Pelella. Diante do saldo positivo da viagem, os procuradores também fornecerão informações para o processo que corre na Suíça e devem retornar à Lausanne nos próximos meses.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade