Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Exército apresenta Centro de Operações da Rio+20

"Não é treinamento, é guerra", afirma general que coordena as ações de segurança para o evento da ONU. Pela primeira vez, Brasil terá ação preparada para conter ataques cibernéticos

O Exército apresentou na tarde desta terça-feira o Centro de coordenação de operações da Rio+20 montado no Palácio Duque de Caxias, no centro do Rio, para coordenar a movimentação de 15 mil homens e mulheres das forças Armadas, Polícia Federal, Polícia Militar, Polícia Civil, entre outros órgãos, envolvidos na segurança do evento. A sala, equipada com cerca de 50 computadores, um telão e quatro monitores, vai abrigar os chefes de todas as instituições empregadas no planejamento para que decisões possam ser tomadas de forma rápida e precisa. Entre as possíveis ameaças previstas para a segurança dos mais de cem chefes de estado ou governo que já confirmaram presença na conferência estão sequestro, terrorismo e ciberterrorismo.

Conheça os detalhes do planejamento de segurança da Rio+20

De acordo com o general Adriano Pereira Júnior, responsável pela coordenação de todas as forças, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e a Polícia Federal, com o apoio de agências de inteligência de outros países, estão trabalhando para antecipar qualquer ameaça. O general assegura que não há motivos para grandes preocupações, mas afirma que a operação estará pronta para intervir diante de qualquer evento.

“Não é treinamento, é guerra. Nós vamos atuar para colocar em prática”, afirmou. “Estamos nos preparando para tudo, mas não há motivos para achar que alguma coisa vai acontecer”.

Presente à entrevista coletiva, o ministro da Defesa, Celso Amorim, elogiou o planejamento das Forças Armadas. “Pude constatar que foi feito um planejamento detalhado, com grande número de pessoas e equipamento para que a confêrencia ocorra com tranqüilidade”, afirmou. De acordo com Amorim, uma das principais medidas preventivas do planejamento é a antecipação a ataques cibernéticos. “É uma ameaça nova, que pode causar transtorno”, afirmou.

Ao todo 44 pessoas estarão sob a coordenação do Centro de monitoramento cibernético, comandado pelo general José Carlos dos Santos. O orçamento para os equipamentos e softwares de defesa cibernética na Rio+20 é estimado em 20 milhões de reais. “É possível interromper o fornecimento de energia através de ataques de hackers, então a energia no Rio Centro virá de geradores”, afirmou Santos. “Embora seja fácil derrubar uma página, existem ferramentas que identificam requisições maliciosas que estão sendo preparadas exclusivamente para a Rio+20. Isso diminuirá bastante a possibilidade de derrubar a página principal”.

Terrorismo – De acordo com o general Adriano, pelo menos cinco comandos especializados em ações anti-terror estarão de prontidão – Brigada de Operações Especiais do Exército, Fuzileiros Navais, Bope, Polícia Civil e Polícia Federal. “A Abin está fazendo trabalho de inteligência. A probabilidade é baixa. Mas por mais baixa que seja, estamos nos prevenindo”, afirmou o general Adriano.

Nenhum aeroporto será fechado durante a conferência. O que pode ocorrer são modificações de horários da aviação civil porque os aviões que estiverem transportando chefes de governo ou de estado terão prioridade de pouso e decolagem. As principais vias por onde vão passar os comboios – avenida Brasil, Linha Vermelha, Aterro do Flamengo -serão monitoradas com tropas do exército, mas nenhuma comunidade será ocupada. “O Rio está em paz. Vamos tentar intervir o mínimo possível no cotidiano da população”, garante o general Adriano.

LEIA TAMBÉM:

Policiamento vai dobrar no Rio durante a Rio+20

A segurança da Rio+20: o inimigo agora é outro

Como será o feriado no Rio durante a Rio+20

Conheça o calendário completo da Rio+20