Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ex-vereador preso na Lava Jato mantinha elo também com PDT

Alexandre Romano foi preso nesta quinta-feira, na 18ª fase da operação da Polícia Federal, batizada Pixuleco II

Conhecido pelos amigos como Chambinho, o advogado Alexandre Romano, preso nesta quinta-feira durante nova fase da Operação Lava Jato, tinha boas relações tanto no PT quanto no PDT. Filho de um ex-prefeito de Americana, no interior de São Paulo, Romano foi eleito o mais jovem e mais bem votado vereador da cidade em 2000, aos 25 anos, pelo PT.

Leia mais:

Lava Jato prende ex-vereador do PT e mira contratos do Planejamento

Ex-vereador petista atuava em esquema de arrecadação de propina a Dirceu

Dois anos depois, assumiu a Secretaria do Meio Ambiente de Americana na gestão do prefeito Erich Hetzl (PDT). A nomeação marcou um afastamento de seu partido, do qual pediu desfiliação em 2005. No PDT, ao qual nunca foi filiado, Romano conheceu o ex-deputado Luiz Antonio de Medeiros e os meandros de Brasília. Entre 2005 e 2008, o advogado prestou assessoria à prefeitura de Indaiatuba na gestão do prefeito José Onério (PPS), na época também do PDT. Com bom trânsito na Esplanada dos Ministérios, ele tinha a função de acompanhar os projetos de interesse da cidade em Brasília.

Depois, se reaproximou do PT, em particular do grupo liderado pelo ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, preso na 17ª fase da Lava Jato. Em 2009 trabalhou como assessor da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio da Câmara, na época presidida pelo petista Jilmar Tatto, atual secretário de Transporte de São Paulo.

De acordo com as investigações do Ministério Público, Alexandre Romano atuava pelo menos desde 2010 anos como operador do esquema de corrupção, peculato e lavagem de dinheiro no petrolão.

(Com Estadão Conteúdo)