Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ex-presidente da Sete Brasil fecha acordo de delação premiada

Ao todo, João Carlos de Medeiros Ferraz e Eduardo Musa, que também fechou acordo com o MP, vão devolver 7,5 milhões de reais desviados e repatriar outros 28 milhões

Além do ex-gerente da área internacional da Petrobras Eduardo Musa, o ex-presidente da Sete Brasil, empresa criada para explorar o petróleo encontrado na camada pré-sal, João Carlos de Medeiros Ferraz também fechou acordo de delação premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato. A dupla se comprometeu com o Ministério Público a devolver um total de 7,5 milhões de reais desviados no escândalo do petrolão e a repatriar outros 5,1 milhões de dólares (cerca de 20,6 milhões de reais) enviados para contas secretas no exterior. Pelo acordo com o MP, Ferraz vai devolver 3 milhões de reais e repatriar pelo menos 1,9 milhão de dólares (7,7 milhões de reais). Já Musa vai devolver 4,5 milhões de reais e repatriar 3,2 milhões de dólares (cerca de 12,9 milhões de reais).

O ex-presidente da Sete Brasil Já admitiu, em carta enviada à direção da empresa no ano passado, ter recebido um valor de 1,9 milhão de dólares em propina. No documento, Ferraz afirma que aceitou as “gratificações” em um “momento de fraqueza”, no qual era pressionado por colegas.

A Sete Brasil foi uma empresa criada pela Petrobras, em 2010, para administrar as sondas de exploração do pré-sal. Além da petroleira, ela tem como parceiros bancos e fundos de pensão estatais. Ferraz foi o primeiro presidente da Sete Brasil, ficando no cargo de dezembro de 2010 até maio de 2014. Segundo ele, as propinas foram recebidas entre maio e dezembro de 2013.

Segundo o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, que também foi dirigente na Sete Brasil, Ferraz participava do esquema que desviava 1% dos contratos firmados pela empresa para a construção de sondas – e que tinham a Petrobras como cliente em quase 100% dos casos. Do valor, dois terços iam para o PT e um terço era dividido entre Barusco, Ferraz e Eduardo Musa, que era diretor de participações da Sete Brasil.

Sob acordo de delação premiada, Barusco contou aos investigadores da Lava Jato que os dirigentes da Sete Brasil, incluindo Ferraz, combinaram o pagamento de propina com os estaleiros EAS, Brasfels, Jurong, Enseada e Rio Grande, responsáveis por fornecer sondas para a Petrobras explorar os campos do pré-sal.