Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Ex-ministro de Lula e Dilma torna-se principal alvo de CPI no Nordeste

O petista Carlos Gabas é investigado pela compra de respiradores que foram pagos mas nunca entregues

Por Hugo Marques 17 out 2021, 14h45

Um tema que foi desprezado pela CPI da Pandemia no Senado — a compra fraudada de respiradores pelos estados do Nordeste — transformou-se no principal foco de investigação da CPI da Covid da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, com potencial para arranhar nomes de figurões da política nacional.

Na quinta-feira 10, a CPI quebrou o sigilo telefônico, telemático, bancário e fiscal do petista Carlos Eduardo Gabas, que foi ministro da Previdência nos governos de Lula e Dilma Rousseff. Pivô de uma compra fraudulenta de respiradores para o Consórcio Nordeste, Gabas tornou-se o principal investigado no Rio Grande do Norte.

O requerimento para quebrar o sigilo de Gabas foi apresentado pelo presidente da CPI, o deputado Kelps Lima (Solidariedade), e aprovado por unanimidade até por partidários de Gabas, como o deputado Francisco do PT, que é o relator da CPI.  “A quebra de sigilo vai permitir aprofundar a investigação”, disse Kelps.

No ano passado, o  Consórcio Nordeste, presidido pelo governador da Bahia, Rui Costa (PT), comprou da empresa Hempcare Farma 300 respiradores por 48 milhões de reais. A quantia foi paga antecipadamente em um contrato cheio de fraudes — e até hoje a mercadoria não foi entregue. Em depoimento prestado aos investigadores, Cristiana Pestes Taddeo,  dona da empresa, disse que não entregou os respiradores devido a problemas que teve com um fabricante chinês. Ela, no entanto, levantou suspeitas contra Carlos Gabas,  secretário-executivo do Consócio Nordeste, e o prefeito de Araraquara, Edinho Silva, ex-ministro da Secretaria de Comunicação do governo Dilma.

A empresária afirmou que na época da fraude ela recebeu telefonema de Gabas, que se identificou como “irmão de alma” de Edinho de Araraquara, que também é do PT. De acordo com Cristiana, Gabas afirmou que o município paulista precisava de 30 respiradores, mas que seu irmão de alma estava sem dinheiro. Para a empresária, “estava implícito um pedido” e ela se dispôs a fazer uma “doação”. Para o Ministério Público, era propina disfarçada. Gabas negou em julho qualquer irregularidade e chamou a empresária de criminosa.

Leia mais em: https://veja.abril.com.br/politica/empresaria-que-deu-calote-levanta-suspeitas-contra-ex-ministros-do-pt/

No início do mês, Gabas foi convocado pela CPI nordestina, mas permaneceu em silêncio durante o depoimento. A Justiça do Rio Grande do Norte concedeu habeas corpus para que o ex-ministro não precisasse responder aos questionamentos dos parlamentares.

Continua após a publicidade

Publicidade