Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ex-governador do AM deixa cadeia e vai para prisão domiciliar

José Melo é acusado de participar de esquema de corrupção que desviou R$ 50 milhões da saúde no Amazonas. Ele foi cassado em maio, por compra de votos

Por Agência Brasil Atualizado em 27 dez 2017, 18h39 - Publicado em 27 dez 2017, 18h38

Preso temporariamente desde a última quinta-feira, durante a Operação Estado de Emergência, da Polícia Federal (PF), o ex-governador do Amazonas José Melo (Pros) deixou nesta quarta-feira o Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM II), em Manaus.

Segundo a secretaria estadual de Administração Penitenciária (Seap), Melo saiu da unidade prisional por volta das 9h30. Acusado de integrar um suposto esquema criminoso que teria desviado recursos públicos da área da saúde, o ex-governador foi beneficiado por uma decisão do juiz plantonista Ricardo Salles, da Justiça Federal do Amazonas, que converteu a prisão temporária dele por prisão domiciliar.

Além de José Melo, foram soltos os ex-secretários estaduais Afonso Lobo (Fazenda) e Wilson Alecrim (Saúde), detidos sob a acusação de participar do mesmo esquema, que teria desviado pelo menos R$ 50 milhões em recursos públicos por meio de contratos com organizações não-governamentais (ONGs).

Melo teve o mandato cassado em maio deste ano, por compra de votos nas eleições de 2014. Na semana passada, a Justiça autorizou sua prisão temporária por suspeita de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Além de prendê-lo, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão em imóveis residenciais e comerciais da região metropolitana de Manaus ligados aos investigados.

O Ministério Público Federal (MPF) diz haver “fortes indícios” de que o ex-governador recebeu recursos ilícitos no esquema. Os procuradores citam um relatório fornecido pelo Ministério da Fazenda, que mostra que a movimentação financeira de José Melo era incompatível com sua renda e sugere práticas suspeitas, como a realização de frequentes saques em dinheiro em contas receptoras de transferências eletrônicas, além de movimentação de grandes quantias em benefício de terceiros.

Nota técnica do Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) também aponta indícios de que o aumento do patrimônio pessoal do ex-governador é incompatível com seus rendimentos. No período, Melo adquiriu um imóvel avaliado em cerca de 7 milhões de reais, além de ter reformado seu sítio.

O Ministério Público afirma ainda que as investigações apontam que o ex-secretário estadual de Administração e irmão do ex-governador, Evandro Melo, atuou como uma espécie de intermediário. Evandro foi preso no último dia 13 de dezembro, ao lado de onze investigados, acusados de receber ao menos 20 milhões de reais em propina.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)