Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ex-diretor da Abin não quer largar mão de mordomia em Brasília

Alexandre Ramagem deixou cargo no fim de março e, pela legislação, tinha prazo de 30 dias para devolver o imóvel funcional, mas não devolveu

Por Ricardo Chapola 18 jun 2022, 14h33

Ex diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem deixou o cargo no fim março deste ano com o objetivo de concorrer a deputado federal pelo Rio de Janeiro nas eleições. Mesmo assim, o delegado da Polícia Federal e coordenador da segurança de Jair Bolsonaro em 2018 continua residindo em Brasília, em um apartamento custeado pelos cofres públicos

A União oferece apartamentos funcionais a trabalhadores da máquina, desde que ocupem determinadas funções, especificadas na legislação. Exige também que nem o servidor, ou seu cônjuge sejam proprietários de imóveis no Distrito Federal. Segundo o mesmo regulamento, a cessão de uso do imóvel se encerra quando o servidor for exonerado, dispensado do cargo, ou quando o funcionário compre um imóvel próprio na capital federal. A União ainda concede prazo de 30 dias para que o servidor em questão devolva o imóvel onde residia.

Ramagem mora em um imóvel funcional desde julho de 2020. O apartamento, de número 309, fica localizado na quadra 304, no bloco A da Asa Norte da capital federal. Como deixou o governo em 31 de março, pela regra, o ex-diretor da Abin tinha até o fim de abril para que devolvesse o imóvel, algo que até hoje ainda não aconteceu. 

VEJA esteve no endereço na quinta-feira, 16, e confirmou com um funcionário do condomínio que Ramagem ainda reside no apartamento. A legislação prevê aplicação de multa caso o servidor desrespeite o prazo de 30 dias, estimada em 10% do salário que a pessoa em questão recebia enquanto funcionária pública. A Abin não fornece em suas páginas oficiais informações sobre remuneração de seus servidores. Procurado, o ex-diretor da agência não se manifestou até o momento. 

Trata-se do segundo caso flagrado pela reportagem de uso indevido de imóveis funcionais. O primeiro foi revelado por VEJA na edição desta semana, e envolve o ex-secretário da Pesca Jorge Seif Júnior, atual pré-candidato ao Senado pelo PL de Santa Catarina.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)