Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ex-controlador do Banco Santos torna-se réu por lavagem de dinheiro

Edemar Cid Ferreira, a mulher e o filho responderão na Justiça por ocultar bens provenientes de crime contra o sistema financeiro

Por Da Redação
17 jun 2014, 11h02

O ex-controlador do Banco Santos Edemar Cid Ferreira agora é réu na Justiça pelo crime de lavagem de dinheiro. O Ministério Público Federal em São Paulo informou nesta terça-feira que a Justiça acatou a denúncia apresentada contra o ex-banqueiro, sua mulher, Márcia de Maria Costa Cid Ferreira, e seu filho, Eduardo Costa Cid Ferreira. De acordo com a denúncia, os três ocultaram obras de arte adquiridas com dinheiro desviado do Banco Santos e as incorporaram à Cid Ferreira Collection, Empreendimento S.A, que tem como sócia majoritária uma empresa com domicílio fiscal nas Ilhas Virgens Britânicas.

Segundo o MPF, a acusação se deve à ocultação da “origem, localização e propriedade de bens e valores provenientes da prática de crimes contra o Sistema Financeiro Nacional” entre novembro de 2004 e dezembro 2008. Em 2005, indícios de remessas de várias obras para o exterior foram encontrados em documentos e e-mails arquivados em computadores apreendidos na casa do ex-banqueiro. Segundo as investigações, as obras eram enviadas ao exterior e negociadas com compradores estrangeiros. Após a negociação, os valores recebidos eram transferidos a mando de Cid Ferreira para contas correntes de terceiros em bancos estrangeiros.

Leia também:

Suspeita contra Sarney no caso do Banco Santos chega ao STF

A denúncia afirma que o procedimento representava uma compensação de crédito, operação usual para o banqueiro que tinha atuação no mercado nacional clandestino de câmbio. “Os doleiros que compraram a moeda estrangeira do ex-banqueiro lhe indicavam em quais contas o valor correspondente deveria ser creditado. Em contrapartida, lhe entregavam moeda nacional em espécie para que pudesse custear o luxuoso estilo de vida mantido por ele e seus familiares, mesmo após ter levado o Banco Santos à falência.”

Continua após a publicidade

Divisão de tarefas – Cid Ferreira aparece como destinatário ou remetente de e-mails referentes ao envio de obras de arte para o exterior, segundo o MPF. Por isso, sempre acompanhava remessas e determinava a forma de pagamento da venda das obras. Com participação ativa na venda, o papel de Márcia de Maria Costa Cid Ferreira era mediar acordos com agentes estrangeiros referentes à movimentação de obras já fora do país para efetuar as vendas. Já o filho, Eduardo Costa Cid Ferreira, tinha a responsabilidade de cuidar dos preparativos para a emissão das obras para fora do país.

Entenda o caso – Quando o Banco Santos quebrou, em 2005, os clientes de Edemar descobriram que o banqueiro havia se apropriado de boa parte do seu patrimônio financeiro. Documentos obtidos por VEJA à época mostravam que ele lesou noventa grandes investidores e torrou 250 milhões de dólares das economias alheias para construir, mobiliar e decorar sua mansão de 4.100 metros quadrados em São Paulo. Mais: Edemar desviou 180 milhões de dólares dos clientes para a conta de sua mulher no Bank of America.

O golpe de Edemar funcionava assim: os gerentes do Banco Santos convenciam grandes investidores a aplicar num fundo de investimentos do Bank of Europe. O dinheiro, no entanto, ia direto para duas contas de Edemar, uma no Bank of America e a outra no Standard Chartered Bank, sediado na Inglaterra. De lá, os recursos eram usados para pagar despesas pessoais do ex-banqueiro. Foram encontrados registros de transferências bancárias que ilustram como era o estilo de vida de Edemar na fase pré-CDP de Guarulhos. Só para seu decorador e arquiteto pessoal, ele transferiu 6,6 milhões de dólares entre 2002 e 2003. Outros 5 milhões de dólares foram para galerias de arte de Londres, Paris, Nova York e Hong Kong. As casas de leilão Christie’s e Sotheby’s receberam 4,6 milhões de dólares. A lista inclui ainda pagamento por tapetes persas, móveis, pisos de mármore e até eletrodomésticos. Para não falar de um cartão de crédito cuja fatura mensal chegou a alcançar 100.000 dólares.

A fraude só foi descoberta depois que o Banco Santos entrou em intervenção judicial. Quando a instituição brasileira fechou as portas, os investidores tentaram resgatar os recursos e descobriram que as aplicações tinham virado pó. Edemar alegou que o dinheiro desaparecera porque havia sido emprestado para a Alsace Lorraine, uma empresa que também quebrara. Só não disse que a tal Alsace Lorraine era uma empresa-fantasma aberta por ele em outro paraíso fiscal, as Ilhas Virgens Britânicas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.