Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Ex-caseiro a VEJA: Se for ao MP denunciar a rachadinha, cabeças vão rolar

Em entrevista exclusiva, Marcelo Nogueira diz que pediu dinheiro à ex-mulher do presidente "de brincadeira" e que tem áudios e vídeos que comprovam esquema

Por Laryssa Borges Atualizado em 7 Maio 2022, 17h52 - Publicado em 7 Maio 2022, 10h42

Ex-caseiro de Ana Cristina Valle, ex-mulher do presidente Bolsonaro, Marcelo Nogueira se apresenta como um homem-bomba. Ele afirma ter testemunhado o esquema das rachadinhas, devolveu ele próprio 80% do salário mensal quando trabalhou no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro e hoje trava uma batalha contra a ex-patroa, a quem chama de “a rainha das rachadinhas” e acusa de ter ignorado seus direitos trabalhistas em mais de 20 anos de relação profissional e pessoal.

Uma reportagem publicada na última edição de VEJA mostra que o caseiro vem chantageado e ameaçando de morte Ana Cristina. Nesta entrevista, ele admite que pediu dinheiro, mas que teria sido uma brincadeira. Já em relação às ameaças,  nega que as tenha feito, apesar dos áudios publicados não deixarem dúvidas. O funcionário diz que, se prestar depoimento ao Ministério Público do Rio, “cabeças vão rolar”.

Você é uma espécie de homem-bomba da Ana Cristina. Houve alguma ameaça da sua parte para se manter em silêncio? Vou ameaçar ela pra quê? Ela sabe tudo que eu tenho. Não tenho por que ameaçar ninguém. Eu tenho que fazer tudo de caso pensado. Eu tô dando tempo ao tempo, eu tô estudando tudo porque quanto menos pessoas que não merecem ser atingidas [forem atingidas] é meu objetivo.

Você já falou pra ela ou para pessoas próximas a ela, como o Renan, que você ia contar tudo o que sabe? Eu não quero nada. Eu vou me vingar dela uma hora, mas eu não quero nada dela não, não quero um real. Mas que eu vou me vingar eu vou, que ela tá pensando que ela vai continuar subindo os degraus da vida, ela tá muito enganada porque já tô sabendo que ela vai se candidatar a [deputada] distrital lá em Brasília. Estou estudando toda a situação porque vai ser uma época boa. Eu adoro época de campanha pras coisas aparecerem. Eu tô fazendo um canal no YouTube. Vou ir na ênfase mesmo das histórias no canal. Estou esperando isso tudo pra época da campanha, que é o melhor momento. Por isso eu tô quietinho.

Você se sente abandonado? Todo mundo me virou as costas. Nem meu direito trabalhista ela acertou comigo. Então não quis saber de mais nada não. Nem entrei com ação trabalhista porque isso é desgastante, e eu sem dinheiro para fazer nada. Tenho que procurar trabalho. Tem muita água pra rolar ainda. Eu sou imprevisível. Eu decido as coisas do nada.

Você pediu a Ana Cristina ou a alguém ligado a ela alguma ajuda financeira? Nem fiz porque eu sabia que não ia ter. Eu conheço o povo. Na verdade, eles só pensam neles. Se não me ajudaram em 20 anos iam me ajudar agora? Hoje em dia eu tô até passando por dificuldade. Minha família mesmo e meus amigos achavam que eu ganhava mundos de dinheiro e nunca fiz nada por ninguém. Em 20 anos eu não agreguei nada porque eu não ganhava o suficiente pra isso. Eles nunca se preocuparam comigo, em me ajudar, em me dar nada. Tu acha que eles iam me dar agora? Nem perdi meu tempo.

Você diz que ela tem muitos inimigos. Algum parlamentar te procurou para colher o que você sabe das rachadinhas? Contatos eu até tenho porque eu tenho que fazer tudo de caso muito bem pensado. Não posso fazer as coisas de orelhada. Mas contatos eu tenho vários, vários, vários. Político, imprensa, tenho vários contatos. Ela fez tanta coisa errada que vai atingir pessoas que não merecem ser atingidas. Eu não quero prejudicar pessoas que não têm nada com isso. 

Continua após a publicidade

Você pediu algum dinheiro para ela? Não. Até porque eu não quero nada deles que seja indevido. Porque esse pessoal gosta de comprar os outros. Quem acha que tem dinheiro gosta de ficar comprando os outros. Eu já falei que a mim ninguém vai comprar, ninguém vai comprar meu silêncio. Só vão ter meu silêncio até quando eu quiser. Não vou ser comprado.

Alguém da família Bolsonaro ofereceu para comprar seu silêncio? Não ofereceram, mas eu sei como é que rola, as pessoas que se acham que têm mais dinheiro que os outros. Eu sei que eles fazem. Não tô botando ninguém diretamente não. Eu tô generalizando quem tem dinheiro. Quem tem dinheiro gosta de comprar os menos favorecidos. Eu já falei: eu sou menos favorecido mas não me vendo. A hora que eu quiser falar eu vou falar, a hora que eu quiser botar a cara vou botar. Então não devo nada a ninguém, não devo favor a ninguém. Por isso eu não quis nada de ninguém.

Ana Cristina diz que você está ameaçando, mentindo e pedindo dinheiro. Mentindo? Eu quero é que ela fale que eu tô mentindo. Se ela falar hoje que eu estou mentindo amanhã eu estou lá no Ministério Público.  Não quero saber de nada. Não quero saber quem vai estar em volta e quem não vai estar. Ela não é maluca. Se eu bater no Ministério Público [pra falar de rachadinha], minha filha, é muita cabeça que vai rolar. É muita coisa que vai acontecer. Eu tô evitando isso. O meu foco é ela, ela que me prejudicou a vida inteira. Ela que me botou nessa situação, ela que me envolveu nisso tudo, ela que se aproveitou de mim esse tempo todo, ela que nunca me deu auxílio em nada. O pouco que eu tive é porque eu tive ajuda do presidente. Ele que sempre me deu uma ajuda. Quando eu precisava de alguma coisa eu recorria a ele, ele me ajudava, ele me socorria. Às vezes meu aluguel atrasava, eu ia em cima dele. Porque se eu pedisse a ela, Deus me livre. Ela nunca abriu a mão pra ajudar ninguém.

Ao mirar a Ana Cristina, você atinge toda a família, não? Meu foco todo é ela. Não quero prejudicar mais ninguém. É meio difícil, se um dia isso vier a acontecer, de as pessoas não saírem prejudicadas, mas eu tô procurando evitar o máximo. É um efeito dominó. Ela ferrou com a vida de muita gente. Ela botou muita gente enrolada. E ela é que é a cabeça de tudo, ela saiu enrolando todo mundo. Mas uma hora ela me paga. Uma hora ela vai me pagar. Estou dependendo dos outros, vivendo na casa dos outros. Às vezes não tem onde ficar, mas vou me manter firme. Não quero nada deles, de ninguém. Não quero ajuda, que venha daquela parte não quero nenhuma porque não quero ficar preso a nada nem a ninguém.

Você já deixou alguma mensagem para a Ana Cristina pedindo algo?  Uma vez eu quis fazer um acordo com ela, mas mandei de brincadeira que eu sabia que ela não ia fazer mesmo. Aquela ali, se falou em dinheiro, Deus me livre. Tu mata ela mas não mexe no dinheiro dela não.

Esse acordo era o quê? Era todo o dano que ela me causou, minhas questões trabalhistas, todos os danos que ela causou na minha vida. Deve ter sido em agosto isso. Acho que eu citei um valor sim, mas não lembro agora quanto foi.

Houve chantagem? Não foi  chantagem. Se eu tivesse que chantagear ela e todo mundo que ela envolveu, eu não ia chantagear por pouco não, porque, se eu boto meus áudios, meus vídeos tudo pra fora, mixaria não ia compensar não. Ia ter que ser muita grana mesmo, mas só que eu não sou desses, porque o dinheiro não traz felicidade.  Eu não sou desses não, minha filha. Eu nasci pobre, eu morro pobre, mas eu falo que eu quero na hora que eu quero.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês