Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Eu só assinava’, diz Pezão sobre obras de Cabral sob suspeita

Governador do Rio de Janeiro depôs à Justiça Federal como testemunha de defesa do ex-governador, de quem foi secretário de Obras

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), declarou à Justiça Federal nesta segunda-feira que “só assinava” os editais de licitação das obras do PAC das Favelas e Maracanã, investigadas em processos na 7ª Vara Federal Criminal do Rio por suspeita de terem envolvido pagamentos de propina. Pezão foi secretário de Obras do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) no período sob investigação e falou ao juiz Marcelo Bretas como testemunha de defesa de Cabral.

O governador fluminense negou saber da existência, nos editais de licitação para obras do PAC das Favelas, de cláusulas escritas para restringir a participação de empresas que não tivessem feito acertos financeiros com o governo. Também negou saber que um mesmo documento, com firma reconhecida, teria sido compartilhado entre empresas para possível cartelização das obras. A prática seria ilegal e restritiva da concorrência.

“Essa documentação não era levada ao senhor?”, perguntou Bretas. “Isso ficava subordinado ao Hudson Braga (subsecretário de Obras, hoje preso)”, respondeu Pezão. “Era ele que fazia essas licitações, eu só assinava no final. Não participava dessa cartelização, da escolha ou qualquer outra reclamação. Eu só via o edital e dava publicidade a nível nacional”, afirmou.

Veja também

O magistrado perguntou então se Pezão não se preocupava em conferir o que fora decidido. “Eu tinha confiança plena em todos os técnicos subordinados”, alegou. O peemedebista também qualificou Hudson Braga como “gestor eficiente”. O depoimento durou 18 minutos.

O ex-governador Sérgio Cabral está preso desde novembro. Ele é réu em 14 processos e já foi condenado em dois deles a penas que, somadas, passam de 50 anos de prisão. Ele nega as fraudes e questiona a atuação do juiz Bretas, que acusa de ser parcial.

(com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Sergio Campos

    A dúvida: é um inocente útil, ou um malandro enrustido? Em ambos os casos, fica a pergunta: – o que acontece com o cidadão brasileiro que assina um contrato, por exemplo com um banco, e depois disse que não sabia? Definitivamente, a classe política brasileira perdeu a vergonha, a racionalidade, e teima em subestimar a inteligência e o direito da nação.

    Curtir

  2. Vagabundo corrupto a sua hora vai chegar e você fará companhia ao cabral, aquele vagabundo assim como você.

    Curtir

  3. Osmar Serrragem

    Assina uns papel aí pra mim, meu! Pega nada não…

    Curtir

  4. Regina Britto

    Pezão usa a mesma tática do Luladrão, não sabia de nada, assinava sem ver.

    Curtir

  5. Dalton Bittencourt Ferreira

    Alguém pode explicar por que Pezão ainda não foi pra cadeia?

    Curtir