Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mackenzie expulsa aluno por vídeo com ameaças: ‘Negraiada vai morrer’

Nas imagens, Pedro Baleotti afirma que estava indo votar armado

Por Da Redação Atualizado em 10 jan 2019, 16h25 - Publicado em 10 jan 2019, 14h30

Um estudante de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie foi expulso da instituição por causa de declarações racistas em um vídeo compartilhado inicialmente pelo WhatsApp no segundo turno das eleições presidenciais. Nas imagens, vestindo uma camiseta de apoio a Jair Bolsonaro, Pedro Baleotti afirma que estava indo votar armado.”Essa ‘negraiada’ vai morrer!, diz, no vídeo.”

Em parecer descartando a abertura de ação civil pública, o Ministério Público de São Paulo considerou a medida adotada pela universidade suficiente. “Aplicou-se a sanção disciplinar máxima, de desligamento do estudante, medida pedagogicamente apta a dissuadir condutas racistas no âmbito da instituição”, diz o documento.

O promotor Eduardo Ferreira Valerio também afirmou não vislumbrou “racismo institucional” no caso, apenas a conduta individual do estudante. Belotti cursava o 10º semestre do curso de Direito e, um dia após o vídeo vir a público, foi demitido do escritório de advocacia onde estagiava.

A expulsão do aluno foi comemorada pelo coletivo negro Afromack. “A referida decisão demonstra a seriedade e o compromisso da universidade no combate ao racismo. O que é de suma importância não somente para comunidade mackenzista, mas para toda sociedade”, disse em nota. A universidade não se pronunciou.

No vídeo, o aluno estava indo votar em sua cidade, Londrina (PR), e anunciou que estava “armado com faca, pistola, o diabo, louco para ver um vadio, vagabundo com camiseta vermelha e já matar logo”. Ao virar a câmera para um ônibus e uma moto completou: “Essa negraiada vai morrer”. À época, o Mackenzie publicou uma nota repudiando a atitude do aluno e suspendeu-o provisoriamente, anunciando a abertura da apuração do caso. O escritório de advocacia em que Pedro trabalhava também se posicionou contra a ação e disse, em sua página oficial no Facebook, que “repudia qualquer manifestação que viole direitos e garantias estabelecidos pela Constituição Federal”.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo à época, o estudante Pedro Bellintani Balleoti disse estar arrependido. Ele contou que o vídeo foi enviado por WhatsApp para um amigo, que o repassou. “Foi uma fala completamente infeliz, eu estou completamente arrependido, não imaginava essa proporção que o vídeo ia tomar. Fiquei arrasado e arrependido pelo sofrimento que eu possa ter causado para todas essas pessoas”, disse.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês