Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Espero que o STF tome a melhor decisão’, diz Moro sobre Lula

Determinar prisão do ex-presidente, sem habeas corpus e esgotados os recursos, seria apenas 'cumprir ordem', afirmou juiz em entrevista ao 'Roda Viva'

Por Guilherme Venaglia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 16h29 - Publicado em 27 mar 2018, 01h30

O juiz federal Sergio Moro disse, na noite desta segunda-feira, que espera que “o Supremo Tribunal Federal tome a melhor decisão” no caso do habeas corpus preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Moro não disse qual seria a “melhor decisão”, mas reiterou sua defesa da execução das penas após condenação em segunda instância.

Questionado se mandaria prender o petista, agora que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) recusou os embargos de declaração do ex-presidente, o juiz argumentou que é apenas “um cumpridor da ordem”. Lula tem um salvo-conduto do STF até a conclusão da análise do seu recurso, que deve ser retomada no dia 4 de abril. Caso o habeas corpus seja rejeitado, ele poderia ter a prisão decretada.

Em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, o juiz da Lava Jato citou a “ordem” do TRF4, em referência ao acórdão da condenação do petista a 12 anos e um mês de prisão. O documento do tribunal determina que, uma vez esgotados os recursos do ex-presidente em segunda instância, deve se iniciar o cumprimento da pena. “Tenho que cumprir a ordem do Tribunal Regional Federal”.

Áudio

Sergio Moro afirmou que “jamais pediu escusas” pela decisão de tornar público um áudio de uma conversa entre Lula e a então presidente Dilma Rousseff (PT) em 2016. “Foi uma decisão que eu tomei pensando estar fazendo a coisa certa. O ministro Teori [Zavascki, relator da Lava Jato morto em 2017] entendeu que não e revisou.”

A conversa divulgada, em que Dilma diz a Lula estar enviando um intermediário com um documento “em caso de necessidade”, foi entendida como um combinado para que o ex-presidente tivesse um ato de posse como ministro-chefe da Casa Civil, que lhe garantiria foro privilegiado, caso Moro determinasse sua prisão. O caso levou o ministro Gilmar Mendes, do STF, a anular a nomeação de Lula para o cargo, anunciada no dia em que as gravações vieram à público.

Aos jornalistas que estavam na bancada do programa da TV Cultura, o magistrado disse não acreditar que haja um “acordão” para proteger o ex-presidente. “Eu não posso acreditar em uma hipótese dessa”, argumentou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.