Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Empreiteira pediu a Cardozo munição para anular provas

Advogados da Odebrecht se reuniram com o ministro da Justiça para questionar a legalidade de informações obtidas sobre a empresa na Suíça

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 11h16 - Publicado em 20 fev 2015, 07h23

Com o intuito de conseguir munição para minar as investigações da Operação Lava Jato no exterior, advogados da empreiteira Odebrecht se reuniram com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para saber se os procuradores da força-tarefa que investiga o esquema de corrupção na Petrobras obtiveram provas na Suíça de maneira ilegal, informou o jornal Folha de S. Paulo nesta sexta-feira. A reunião ocorreu no gabinete do ministro no dia 5 deste mês e consta na agenda pública de Cardozo. Nesta quinta-feira, ele admitiu que tratou da Lava Jato com três advogados da empresa, o diretor jurídico Mauricio Ferro, o constitucionalista Pedro Serrano e a criminalista Dora Cavalcanti.

A defesa da Odebrecht suspeita que os procuradores conseguiram informações bancárias da empreiteira no país europeu antes que o Ministério da Justiça apresentasse às autoridades suíças um pedido de colaboração. Se isso for confirmado, a empresa poderá recorrer à Justiça para anular as provas. A legislação determina que informações coletadas em outros países só podem ser usadas no Brasil após passar por trâmites legais intermediados pelo Ministério.

Leia também:

As conversas impróprias do ministro da Justiça

Continua após a publicidade

No Twitter, Barbosa cobra demissão imediata de Cardozo

Panelaço contra Cardozo

Após ouvir o questionamento dos advogados, o ministro teria sugerido que formalizassem uma solicitação para obter mais detalhes sobre a cooperação com a Suíça. O Ministério ainda não respondeu ao pedido. Na mesma ocasião, a defesa também registrou em ata uma reclamação sobre supostos vazamentos da investigação conduzida pela Polícia Federal do Paraná.

Continua após a publicidade

A petição contesta duas visitas dos procuradores à Suíça, em novembro de 2014 e em janeiro deste ano. “Não se sabe quando, por quem, em que termos e por quais fundamentos tais diligências foram autorizadas, e nem mesmo se houve prévia tramitação do indispensável pedido de cooperação às autoridades suíças”, escreveram os advogados.

A Procuradoria Geral da República disse estar “tranquila” quanto à legalidade das provas obtidas na Suíça, pois as duas viagens foram intermediadas pelo órgão central de cooperação internacional. No país europeu, eles tiveram acesso a informações que julgaram ser úteis no processo e fizeram pedidos formais ao Ministério para que as provas fossem enviadas para o Brasil.

Após reportagem de VEJA revelar que o ministro se lançou numa ofensiva para acalmar as empreiteiras envolvidas no petrolão, Cardozo se defendeu nesta quinta-feira, dizendo que “em nenhum momento tocou-se na possibilidade de o governo ajudar a libertação de presos”. “Eu disse: ‘me façam uma representação que eu apuro’. A quem eles tinham que dirigir essa representação. Ao juiz? Não. Ao Ministério da Justiça, porque a Polícia Federal está subordinada ao Ministério da Justiça”, completou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.