Clique e assine a partir de 9,90/mês

Em vídeo, ex-mulher de Pedro Paulo refaz sua história

Alexandra Marcondes muda versão e diz que foi ela, e não ele, que partiu para a briga em gravação obtida por VEJA

Por Leslie Leitão e Thiago Prado - Atualizado em 10 dez 2018, 09h38 - Publicado em 24 fev 2016, 19h27

Um vídeo de 8 minutos e 38 segundos é uma das principais peças apresentadas pela defesa do deputado federal, secretário municipal e virtual candidato do PMDB à prefeitura do Rio de Janeiro Pedro Paulo Carvalho Teixeira para refutar a acusação de ter agredido sua ex-mulher, Alexandra Marcondes Teixeira. Na gravação, obtida por VEJA, Alexandra muda a versão apresentada em 2010 para a Polícia Civil (também revelada por VEJA) e agora afirma ter sido ela quem agrediu o parlamentar no dia 6 de fevereiro daquele ano. Ele só a teria contido. No início do mês, o procurador-geral Rodrigo Janot pediu a abertura de inquérito ao Supremo Tribunal Federal (STF) para averiguar o “giro radical” do testemunho de Alexandra. O caso está nas mãos do ministro Luiz Fux.

No vídeo que a defesa encaminhou ao Ministério Público Federal, Alexandra descreve o dia em que chegou ao apartamento e encontrou indícios de traição do marido. “Queria colocar fogo na casa com ele dentro”, afirma ela na filmagem. Orientada pelo advogado, requisitou as imagens do circuito interno do prédio e trocou a fechadura. Também pediu à empregada Ana Paula Bernardes para descer com a filha do casal, então com 4 anos. O vídeo do circuito interno que ela diz ter visto naquele dia desapareceu; seus advogados tentaram anexar a gravação ao processo, mas as imagens nunca foram entregues.

De acordo com o relato de Alexandra em vídeo, algumas horas depois de a criança sair, Pedro Paulo chegou em casa e deparou com a fechadura trocada. Alexandra o deixou entrar para pegar um computador. Daí começou uma discussão que teria elevado o tom quando ela afirmou que o pai do deputado deveria “estar revirando dentro do caixão” diante da traição. “Foi quando enfiei o dedo na ferida e ele saiu de si.” Até aí, o depoimento que gravou no dia 8 de dezembro é quase idêntico ao relatado por ela na delegacia depois da briga.

Continua após a publicidade

A partir desse ponto, os dois relatos divergem. No primeiro depoimento, Alexandra afirmou aos investigadores que, após o início da discussão, Pedro Paulo a empurrou com força e, ao cair no chão, passou a receber chutes. Ao se levantar e correr para o escritório, ele teria dado pelo menos dois socos em seu rosto, um no olho esquerdo e outro na boca, lesionando um dente. Já na nova versão divulgada no vídeo, ela relata: “Os dois perderam a cabeça, então óbvio que eu parti para cima dele. Eu bati no Pedro Paulo? Bati, óbvio que eu bati. E ele se defendeu”. Para explicar as lesões no corpo, acrescentou: “Nessa coisa de se defender, ele é muito maior do que eu”. Alexandra ainda reforçou: “Tudo o que eu via, eu queria arremessar nele. Voou bandeja, voou copo…”.

No vídeo, a ex-mulher de Pedro Paulo nega inclusive a lesão em um dente que consta de laudo feito na ocasião em exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal. “Não quebrou meu dente, não arrancou meu dente fora. Meu dente está aqui, o dente é meu”, diz, apontando para a boca. Contrariando o relato de 2010, conclui: “Gente, foram outras coisas que aconteceram. O que aconteceu foi que ele me traiu, eu estava muito revoltada e parti para cima dele para tomar uma satisfação”. Um giro, de fato, radical.

Publicidade