Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Em primeiro ato do segundo turno, Haddad visita Lula em Curitiba

Encontro deve definir quais as prioridades nesta etapa da campanha; setores do PT defendem que candidato se distancie do ex-presidente

Por Da Redação Atualizado em 8 out 2018, 12h34 - Publicado em 8 out 2018, 12h23

Em seu primeiro ato de campanha no segundo turno, o candidato do PT Fernando Haddad visita nesta segunda-feira o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sede da Polícia Federal, em Curitiba, onde o líder petista cumpre pena por sua condenação na Operação Lava Jato.

O presidenciável do partido, que substituiu Lula na disputa, recebeu 29,2% dos votos válidos nas eleições deste domingo e vai decidir a corrida pelo Palácio do Planalto com Jair Bolsonaro (PSL), que obteve 46% dos votos.

O encontro deve definir quais as prioridades de Haddad no segundo turno. O PT espera que Lula delibere sobre alianças e quais os rumos da campanha. Setores petistas já discutem se o candidato à Presidência deve assumir um caminho mais independente ao ex-presidente para tentar atrair eleitores ligados ao centro. 

Um dos pontos que pode ser mudado no segundo turno é o programa de governo, feito sob medida para Lula. Já há grupos petistas quem defendem que ele modere em questões tributárias e reforma da Constituição, entre outros temas. Para petistas ligados ao candidato, Haddad vai ter de sair de “baixo das asas” do ex-presidente.

Em pronunciamento neste domingo, após a confirmação do resultado, Haddad agradeceu nominalmente o ex-presidente. “Eu queria antes de mais nada agradecer a presença de vocês, à minha família, ao meu partido e a sua maior liderança, o presidente Lula”, falou o presidenciável no início de seu discurso.

Haddad disse esperar um segundo turno “mais civilizado” e fez acenos a Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Henrique Meirelles (MDB), seus ex-companheiros de Esplanada no governo do então presidente Lula. “Eu tenho o maior respeito pelos que concorreram no primeiro turno, sobretudo aqueles com quem eu trabalhei. Trabalhei com Marina, com Ciro, com o Meirelles no governo Lula. Tenho o maior respeito e admiração pelo trabalho que eles realizaram.”

“Queremos unir os democratas do Brasil, os que têm atenção aos mais pobres. Queremos um projeto amplo para o Brasil, mas que busque justiça social”, afirmou.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês