Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Em novos ataques, Bolsonaro diz que Fachin quer que Lula seja presidente

Governante disparou em sua live semanal contra o presidente do TSE, que nesta sexta afirmou que resultado das eleições é 'inegociável'

Por Da Redação Atualizado em 29 Maio 2022, 08h58 - Publicado em 27 Maio 2022, 22h00

O presidente Jair Bolsonaro voltou, nesta sexta-feira, 27, a fazer ataques ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em sua live semanal, o governante chamou o magistrado de “militante de esquerda” e afirmou que Fachin “colocou Lula para fora da cadeia” para que o petista virasse presidente.

Bolsonaro tem feito ataques frequentes ao processo eleitoral brasileiro, mirando a apuração do TSE e as urnas eletrônicas, e também aos ministros do STF mais diretamente ligados ao pleito – o ex-presidente do TSE, Luis Roberto Barroso, o atual, Edson Fachin, e o futuro, Alexandre de Moraes, alvo do presidente também por ser relator no STF de inquéritos incômodos ao governo e ao bolsonarismo.

Em sua live, além de afirmar que Fachin foi um “militante de esquerda”, Bolsonaro citou os votos do magistrado nos processos que resultaram na anulação das condenações de Lula na Operação Lava-Jato e, sem provas, afirmou que a motivação do ministro do STF era ver o petista presidente.

“Ele (Fachin) botou o Lula para fora. Agora, botou para fora só para vê-lo livre? Porque ele (Lula), segundo o STF, é elegível – então ele disputa as eleições. O que a gente entende para o lado de cá é que ninguém vai botar o cara para fora, com condenações grandes em três instâncias, simplesmente para ficar passeando por aí”, disse Bolsonaro. “(Fachin) Colocou para fora, no meu modesto entendimento, é para (Lula) ser presidente da República.”

Em discurso nesta sexta, durante evento promovido pelo Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco, Fachin afirmou que aceitar o resultado das eleições é “expressão inegociável da democracia”. O presidente do TSE acrescentou que o Brasil “tem eleições limpas, seguras e auditáveis”.

Segundo a coluna Radar, um encontro – oficial e público – entre Fachin e advogados de Lula levantou suspeitas de teor conspiratório em Bolsonaro e no general Walter Braga Netto. De acordo com Cristiano Zanin, advogado do petista, porém, a conversa tratou de “ameaças contra o candidato”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)