Clique e assine com até 92% de desconto

Em negociação com Bolsonaro, PSL confirma candidatura de Joice

Anúncio oficial acontecerá nesta segunda-feira, 31, em convenção do partido; decisão ocorre no momento em que Bolsonaro costura armistício com a legenda

Por Felipe Mendes Atualizado em 31 ago 2020, 23h16 - Publicado em 30 ago 2020, 19h40

A despeito do pedido do presidente Jair Bolsonaro para excluir alguns de seus inimigos como parte da negociação para retornar ao PSL, a deputada federal Joice Hasselmann será anunciada em convenção nesta segunda-feira, 31, como candidata à prefeitura de São Paulo pela legenda. A informação foi confirmada pelo deputado Junior Bozzella, presidente estadual do partido e coordenador da campanha de Joice. A deputada faz parte da ‘lista negra’ apresentada pelo presidente para ser cortada, conforme revelou VEJA.

  • Os partidos têm até 15 de setembro para realizar as suas convenções, onde são anunciados os candidatos ao pleito deste ano. Mas, em meio à aproximação com Bolsonaro, o PSL decidiu adiantar isso ao máximo. Segundo Bozzella, o motivo é a pandemia do novo coronavírus. “Estamos vivendo uma realidade atípica. Não podemos perder tempo”.

    Um dos desafetos declarados do clã Bolsonaro, Joice terá o apoio do economista Marcos Cintra na elaboração do plano de governo. O ex-Secretário da Receita do atual governo chegou, inclusive, a ser um dos cotados para vice da deputada, mas decidiu colaborar de outra forma. “Realmente, me senti feliz e honrado em ser lembrado. Mas eu fiz ela ver que existiam opções melhores, que poderiam ajudá-la de forma mais eficaz”, diz Cintra a VEJA. “Eu vou ajudar na elaboração do plano de governo e dar uma assessoria a ela em programas específicos na parte orçamentária. Vou me restringir a essas atividades, o que já é bastante coisa dado o pouco tempo que temos para as eleições”.

    O partido ainda não definiu um candidato à vice de Joice. O PSL firmou aliança com o DC e tem negociações avançadas com PMB e PTC, que sugeriram alguns nomes à posição. “Eles não exigiram vice, mas colocaram alguns nomes como possibilidade. A gente está levando em consideração”, diz Bozzella.

    Bozzella destacou ainda que o partido conseguiu crescer, mesmo com a ausência de Bolsonaro. “Tivemos um momento difícil com a saída dele e dos filhos. Iniciaram uma onda radical de ataques aos deputados do PSL, usando toda a milícia digital”, acusa o parlamentar. “A impressão era de que o PSL seria dizimado, que não conseguiria sobreviver. Mas, pelo contrário, crescemos em número de filiados e detentores de mandatos”.

    Após a divulgação da informação, o deputado federal Eduardo Bolsonaro ironizou Joice em seu perfil no Twitter. “Não adianta rastejar, quem vai te julgar é o povo de SP. Só quero que saia candidata para ver em quem vai botar a culpa pelo seu fracasso (sic)”, escreveu. Resta saber até onde vai o cessar-fogo de Jair Bolsonaro após a decisão do partido.

    Continua após a publicidade
    Publicidade