Clique e assine a partir de 9,90/mês

Em depoimento, Queiroz diz que suposto vazamento da PF não chegou até ele

O Ministério Público Federal ouviu o ex-assessor de Flávio Bolsonaro no Complexo Penitenciário de Bangu por cerca de duas horas e meia

Por Da Redação - 2 jul 2020, 22h04

O ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz afirmou, na tarde desta quinta-feira, 2, que não recebeu informações sobre um suposto vazamento de relatório da Operação Furna da Onça que mencionava seu nome.

O Ministério Público Federal ouviu Queiroz no Complexo Penitenciário de Bangu, na Zona Oeste do Rio, por cerca de duas horas e meia. Foi a primeira vez que Queiroz falou pessoalmente aos procuradores, que buscam detalhes do suposto vazamento da operação para beneficiar Jair Bolsonaro nas eleições de 2018.

De acordo com o promotor Eduardo Benones, coordenador do Núcleo de Controle Externo da Atividade Policial do Ministério Público Federal, que ouviu o ex-assessor, o depoimento de Queiroz não nega que houve vazamento na operação. “Ele não sabe afirmar se houve ou não houve o vazamento. Então, assim. Não é que ele disse que não houve vazamento. O que ele falou é que não chegou até a ele. O depoimento dele não inocentou ninguém, foi capaz de tirar ninguém da cena do crime, entendeu? Dá pra continuar investigando. Foi um bom depoimento”, disse o promotor.

Queiroz também não soube dizer se Flávio foi informado sobre esse documento do Coaf antes de exonerá-lo do cargo de assessor na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, em outubro de 2018.

Continua após a publicidade

No primeiro depoimento, por videoconferência, na semana passada, Queiroz já tinha falado que não teve informações antecipadas da operação.

Publicidade