Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Em áudio, Onyx diz a caminhoneiro que governo deu ‘trava’ na Petrobras

Em mensagem a um líder da categoria, chefe da Casa Civil prometeu intervir na periodicidade do reajuste do óleo diesel

Por Edoardo Ghirotto e Eduardo Gonçalves - Atualizado em 19 abr 2019, 14h34 - Publicado em 19 abr 2019, 14h27

Antes de o presidente Jair Bolsonaro (PSL) intervir de forma atabalhoada no preço do diesel, o governo já dava mostras de que a proximidade com as pautas corporativistas dos caminhoneiros estava indo além do desejável.

Em 27 de março, um grupo de Whatsapp de lideranças da categoria, que conta até com a presença do ministro da Cidadania, Osmar Terra, recebeu um áudio atribuído ao ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Na mensagem de 1 minuto e 40 segundos, Lorenzoni assegura estar trabalhando em “várias coisas bacanas” para os caminhoneiros. “Já demos uma trava na Petrobras”, afirmou o ministro. A “trava” dizia respeito à mudança na periodicidade com que se altera o preço do diesel. A medida havia sido anunciada pela diretoria da estatal no dia anterior à gravação da mensagem. “Qualquer modificação de preço, no mínimo entre 15 e 30 dias de variação, não pode ter menos do que isso”, declarou Lorenzoni.

Na sequência, o chefe da Casa Civil diz que o governo está “resolvendo aquela questão dos postos” e que irá “para cima na fiscalização”. “Eu venho insistindo muito nisso, o presidente entrou nisso. Tu vai (sic) ver que muitas coisas vão acontecer já nesta semana. O presidente amanhã deve se manifestar pelas redes sociais em direção à categoria dos caminhoneiros, particularmente aos autônomos”, disse Lorenzoni. No dia seguinte, o presidente Jair Bolsonaro realizou uma live no Facebook em que parabenizou os caminhoneiros e prometeu um novo pacote de bondades para a categoria.

Lorenzoni termina a mensagem pedindo desculpas por não ter entrado em contato antes com o interlocutor em questão. E assegura que Bolsonaro está comprometido em atender às demandas da categoria. “O capitão aqui não vai jamais abrir mão de defender e proteger os caminhoneiros”, disse. Procurada, a Casa Civil não quis se pronunciar sobre o conteúdo do áudio.

Publicidade