Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Eleições 2018: o que os candidatos pensam sobre o teto dos gastos públicos

Postulantes ao Planalto nas eleições de outubro se manifestaram sobre a aplicação da lei, aprovada em 2016, que limitou o crescimento dos gastos públicos

Por Da Redação Atualizado em 21 set 2018, 11h53 - Publicado em 7 jun 2018, 22h00

Alvaro Dias (Podemos)

Diz que o teto precisará ser revisto para 2019, porque sem a Reforma da Previdência, o aumento dos gastos com aposentadorias e pessoal reduzirá a capacidade do estado de investir e arcar com suas responsabilidades


Ciro Gomes (PDT)

Se eleito, prometeu trabalhar para revogar a medida, que chama de “estupidez impraticável”. Para Ciro, o teto sufoca as possibilidades de investimento do Governo Federal.


Fernando Haddad (PT)

Propõe revogar a medida, que, na sua avaliação, impede os investimentos do estado em setores essenciais, como saúde e educação.


Geraldo Alckmin (PSDB)

É crítico da medida. Diz que pretende ajustá-la, mas não revogar. Sua preocupação é com a inclusão do investimento dentro do teto: como gastos com pessoal e Previdência crescem continuamente, os novos gastos ficariam achatados.


Guilherme Boulos (PSOL)

Propõe a revogação da PEC que congelou os gastos por 20 anos.


Henrique Meirelles (MDB)

Como ministro da Fazenda foi um dos responsáveis pela proposta que congelou gastos da União por 20 anos e considera a medida necessária para o equilíbrio das finanças públicas.

Continua após a publicidade


Jair Bolsonaro (PSL)

Como deputado, votou a favor da PEC que congelou por 20 anos os gastos públicos.


João Amoêdo (Novo)

Considera o congelamento dos gastos aprovado pelo governo Temer uma medida positiva.


João Goulart Filho (PPL)

É contra. Propõe revogar a medida.


José Maria Eymael (DC)

É contra, por entender que engessa os gastos do governo com saúde e educação.


Marina Silva (Rede)

É contra a PEC aprovada pelo governo Temer e diz que medidas são um “golpe” nas políticas públicas. Para ela, gastos devem ser controlados através de lei orçamentária e não com mudança na Constituição.


Vera Lúcia (PSTU)

Defende a revogação da medida aprovada em 2016 pelo Congresso Nacional.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)