Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Eleições 2018: o que os candidatos pensam sobre a reforma trabalhista

Postulantes ao Planalto nas eleições de outubro se manifestaram sobre a mudança nas leis trabalhistas aprovada pelo Congresso Nacional em 2017

Por Da Redação Atualizado em 21 set 2018, 11h43 - Publicado em 7 jun 2018, 22h00

Alvaro Dias (Podemos)

Defende a flexibilização das relações entre patrões e empregados, apesar de ter votado contra o projeto do governo em 2017. Pretende vetar o trabalho de mulheres em condições insalubres e “deixar mais claras” as regras sobre terceirização e trabalho intermitente.


Ciro Gomes (PDT)

Promete um plebiscito para revogar a reforma trabalhista aprovada pelo governo Temer.


Fernando Haddad (PT)

Promete revogar a medida aprovada em 2017 e substituí-la pelo “Estatuto do Trabalho”, uma norma que vai dar mais poder aos sindicatos para organizar modelos de formação dos trabalhadores como estratégia para aumentar a produtividade.


Geraldo Alckmin (PSDB)

Defende a reforma proposta aprovada pelo governo Temer.


Guilherme Boulos (PSOL)

É contra a reforma proposta pelo governo Temer e considera que a medida aprofunda a desigualdade social.


Henrique Meirelles (MDB)

Favorável à medida, já afirmou que a legislação trabalhista do Brasil “não foi feita para o mundo de hoje”

Continua após a publicidade


Jair Bolsonaro (PSL)

Votou a favor da proposta na Câmara dos Deputados. Em sabatinas e entrevistas, ele tem repetido o diz ouvir de empresários: que os trabalhadores brasileiros podem ter que escolher entre ter “menos empregos e mais direitos” ou o oposto.


João Amoêdo (Novo)

Defende a reforma trabalhista, mas acha que ela pode ser “melhorada”.


João Goulart Filho (PPL)

Foi contra a proposta aprovada pelo Congresso Nacional em 2017, que considera retirada de direitos dos trabalhadores.


José Maria Eymael (DC)

É a favor da proposta aprovada em 2017 pelo Congresso Nacional.


Marina Silva (Rede)

É contra a reforma proposta pelo governo Temer. Entre suas críticas está a possibilidade de trabalho intermitente: “É inadmissível ter trabalhadores que ficam em processo de espera, sendo convocados a qualquer momento pelo empregador.”


Vera Lúcia (PSTU)

Defende a revogação da medida aprovada em 2017 pelo Congresso Nacional.

Continua após a publicidade

Publicidade