Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Eduardo Braga vê abuso em ação da PF: ‘Não precisava ser às 7h da manhã’

Líder do MDB no Senado diz que seus advogados buscarão reparação na Justiça; operação foi feita com base em delações de ex-executivos da JBS e da Transpetro

Por Da Redação
5 nov 2019, 18h39

O líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM), classificou como um “abuso” o fato de ter sido informado pela Polícia Federal no início da manhã desta terça-feira, 5, sobre um depoimento que deveria prestar ao órgão. A PF foi até a residência do senador, em Brasília, chamá-lo para prestar esclarecimentos em uma investigação da qual é alvo.

A operação, autorizada pelo ministro Edson Fachin, integra um inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal a partir das delações premiadas do executivo Ricardo Saud, ex-diretor de relações institucionais o Grupo J&F, que controla o frigorífico JBS, e do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.

A investigação, iniciada em maio de 2018, apura supostos pagamentos de propina do Grupo J&F a parlamentares do MDB para apoiar o PT nas eleições de 2014. Além das convocações de Braga e Renan, foram expedidos mandados de busca e apreensão e sequestro de bens.

Em sua delação, Saud disse ter havido pagamentos da ordem de 46 milhões de reais a senadores do MDB, a pedido do PT. De acordo com o executivo, apesar de diversas doações terem sido oficiais, trata-se de “vantagem indevida”, já que dirigentes petistas estariam comprando o apoio de peemedebistas nas eleições de 2014 para garantir a aliança entre os dois partidos.

Continua após a publicidade

“Eu acho que, para que eu fosse notificado de um agendamento de oitiva, não precisava ser às 7 horas da manhã, podia ser a qualquer momento. Eu tenho local certo e conhecido, não só em Brasília, como no meu Estado”, disse o senador. “Não sou daqueles que respondem de forma desequilibrada, mas creio que este é um dos abusos que nós precisamos evitar no Brasil.” Os advogados, afirmou Braga, buscarão uma reparação na Justiça. A defesa, alegou, ainda não teve acesso à decisão judicial que autorizou o depoimento.

Pela manhã, o secretário-adjunto da Mesa Diretora do Senado, José Roberto Leite de Matos, assinou um documento certificando compromissos de Braga no Senado e citando uma regra do Código Penal determinando que senadores sejam ouvidos em data e local previamente agendadas pelo parlamentar e o juiz.

Renan

No Twitter, outro investigado na operação intimado a depor, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), também criticou a investigação. “Marcarei o depoimento. Sou o maior interessado no esclarecimento dos fatos. Isso é a obra prima do conluio entre Sérgio Machado, JBS, a advogada Fernanda Tórtima (ligada à JBS) e o ex-procurador Marcelo Miller (que atuava com Rodrigo Janot, ex-procurador-geral da República e também prestou serviços a escritório de advocacia que atuou para a JBS). Os fatos ocorrem no momento em que a PGR renova o pedido de anulação da delação.

Continua após a publicidade

A operação da Polícia Federal autorizada pelo ministro Edson Fachin nesta terça-feira, 5, integra um inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal a partir das delações premiadas do executivo Ricardo Saud, ex-diretor de relações institucionais o Grupo J&F, que controla o frigorífico JBS, e do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.