Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Eduardo Bolsonaro fala de atos e defende ‘povo ordeiro’ nas ruas

Grupos de apoiadores de Bolsonaro marcaram 'protesto a favor' para o domingo

Por Redação Atualizado em 21 Maio 2019, 16h10 - Publicado em 21 Maio 2019, 10h11

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se manifestou nesta terça-feira, 21, a favor dos atos pró-governo marcados para o próximo domingo, 26. No Twitter, o filho do presidente Jair Bolsonaro escreveu que a presença da “esquerda” nas ruas é tratada como expressão da democracia, enquanto mobilizações de “um povo ordeiro” são vistas como erradas.

“Só eu que acho ‘curioso’ que a esquerda vá toda hora para as ruas, pague mortadela para a massa, queime algo no final e isso é tratado como expressão de democracia, mas quando um povo ordeiro quer fazer o mesmo mas de graça e sem queimar nada passam a dizer que isso é errado?”, postou.

Também na manhã desta terça, o parlamentar postou que “a raiz de todos os problemas” do país é a “guerra cultural”. “Negar isso é negar a realidade ou demonstrar total ignorância sobre o cenário em que vivemos.” E recomendou: “Se quiser abrir seus olhos siga, veja os vídeos e leia Olavo de Carvalho”. Guru de Bolsonaro e dos filhos, o escritor disparou ofensas à ala militar do governo nas últimas semanas.

No domingo, o deputado já havia afirmado: “Nada mais democrático do que uma manifestação ordeira que cobra dos representantes a mesma postura de seus representados”.

A manifestação a favor do governo também tem como pautas o apoio à reforma da Previdência e ao pacote anticrime apresentado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Nas convocações para os atos, nas redes sociais, há ainda muitas críticas ao Congresso, ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Centrão. Grupos que ganharam destaque nos protestos pelo impeachment de Dilma Rousseff, como o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem pra Rua, não aderiram às manifestações por verem nelas um movimento antipolítica.

Continua após a publicidade

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) criticou a convocação. “Não tem sentido quem está com o poder convocar manifestações! Raciocinem!”, escreveu no domingo. Para ela, se as ruas estiverem vazias, Bolsonaro perceberá que terá de parar de “fazer drama” para trabalhar.

Presidente

Na sexta, o presidente compartilhou com seus contatos um texto segundo o qual o país é “ingovernável” sem os “conchavos” políticos com “corporações”, que ele se recusa a fazer. Na segunda-feira, durante viagem ao Rio de Janeiro, Bolsonaro apontou a “classe política” como o grande problema do Brasil, incluindo-se na crítica. Mais tarde, moderou o tom e incluiu os parlamentares no “time” que está empenhado em aprovar a reforma da Previdência no Congresso.

Eduardo, por sua vez, postou no Twitter, também na segunda: “Um apoio espontâneo, gratuito e convicto não acaba em cinco meses só porque o Centrão e a imprensa querem”.


OUÇA OS PODCASTS DE VEJA

Nesta semana, a surpreendente história de Hamilton Mourão, o vice destoante da República.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)