Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Economista de Alckmin, Persio Arida critica teto dos gastos públicos

Apesar de considerar que medida 'engessa' excessivamente contas do governo, conselheiro do pré-candidato não prevê rever a medida em caso de vitória

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 3 jul 2018, 15h27 - Publicado em 3 jul 2018, 09h10

Coordenador do programa econômico do ex-governador Geraldo Alckmin, pré-candidato à Presidência pelo PSDB, o economista Persio Arida criticou nesta segunda-feira 2 o chamado teto dos gastos, uma emenda à Constituição que foi aprovada no início do governo Michel Temer (MDB), em 2016, e consiste em limitar o crescimento das despesas públicas à inflação do ano anterior, por um prazo de dez anos, prorrogáveis por mais dez.

“Uma medida como essa para vinte anos não faz sentido, você não pode engessar os gastos, porque a economia é dinâmica”, disse o economista, em evento promovido pelo deputado federal Floriano Pesaro (PSDB-SP), que tentou ser escolhido pré-candidato do PSDB ao governo do estado, mas perdeu prévias para o ex-prefeito de São Paulo João Doria. Pesaro é candidato a mais um mandato na Câmara.

Apesar da crítica ao teto dos gastos, Arida considera que, dado o desequilíbrio fiscal no qual o país se encontra, a medida é útil “no momento, por dois ou três anos”. “Sem o teto, o Congresso vai inventar gastos o tempo todo. Mais para a frente, podemos até rever, mas no momento ele é útil”, afirmou o economista, que foi presidente do Banco Central (BC) no governo de Fernando Henrique Cardoso e fez parte da equipe que elaborou o Plano Real.

O teto dos gastos é frequentemente apontado pelo presidente Michel Temer como uma das medidas do seu governo para “modernizar” o país e uma das provas de que seu governo é “reformista” e comprometido com o ajuste fiscal. A bancada do PSDB votou integralmente a favor da emenda à Constituição. Neste ano, Alckmin chegou a criticar a medida, por esmagar o investimento e o custeio, mas negou a possibilidade de revogá-la caso seja eleito presidente.

Arida tem dito em suas palestras que, para o Brasil voltar a crescer a um ritmo de 4% ou 5%, é necessário equilibrar as contas públicas. “Quando a parte fiscal está desequilibrada, todo o resto sai do equilíbrio”, disse. Para ele, o pior não é ter déficit, mas sim ter uma dívida alta.

“Está tudo bem se você não deve nada e fica pendurado no banco. O problema é se antes você já devia muito”, acrescentou. O objetivo de Alckmin, segundo ele, é zerar em dois anos o atual déficit de 2,5% do PIB e transformá-lo em superávit de 2% no fim do quarto ano de mandato.

No evento de hoje, que contou basicamente com lideranças da sociedade ligadas a Pesaro, não necessariamente vinculadas ao PSDB, Arida foi mais tímido ao se referir a outros candidatos. Em eventos anteriores, principalmente aqueles com plateia do mercado financeiro, ele dedicou boa parte dos seus discursos a criticar o deputado federal Jair Bolsonaro (RJ), pré-candidato a presidente pelo PSL e um dos principais adversários de Alckmin na disputa por votos de eleitores que rejeitam o PT.

Dessa vez, Arida voltou a ressaltar que Bolsonaro tem um histórico de votações na Câmara alinhadas com as bancadas de esquerda, o que seria contraditório com a tentativa do deputado de se mostrar como um candidato liberal, principalmente depois que passou a ser assessorado pelo economista Paulo Guedes. Disse também que é necessário ter experiência para fazer ajuste fiscal e formar alianças no Congresso, credenciais que, segundo economista, somente Alckmin tem.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)